A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Maio de 2018


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


07/08/2015 06:00

Estrutura de festa junina da crise custou R$ 238 mil

Edivaldo Bitencourt

Balanço – O prefeito Gilmar Olarte (PP), promete grande festa nesta sexta-feira para lançar o calendário de eventos alusivos ao aniversário de 116 anos de Campo Grande. Será a partir das 19h, no Clube Estoril.

Oportunidade – Além do pacote de aniversário, o prefeito vai aproveitar para fazer balanço dos 500 dias de gestão. Ele evitou o balanço de um ano. Vai apresentar as obras e ações desenvolvidas desde a posse, em 13 de março do ano passado.

Exemplos – O local da apresentação do pacote retoma uma tradição de André Puccinelli e Nelsinho Trad, que sempre lançaram os pacotes de obras no Clube Estoril.

Processante – A Câmara Municipal marcou para a próxima terça-feira, dia 11 de agosto, a votação do projeto que propõe a criação de Comissão Processante contra Gilmar Olarte.

Derrota – A oposição – formada por seis vereadores – já teve a primeira derrota ao não conseguir mudar o número mínimo de votos necessários para aprovar a Comissão Processante. O grupo queria reduzir para maioria simples.

Gasto – A Prefeitura de Campo Grande causou polêmica ao divulgar os salários de todos os servidores municipais. A publicação foi determinada pela Justiça, a pedido da ACP (Sindicato dos Profissionais da Educação Pública). O mesmo salário do prefeito é pago para outros 107 funcionários públicos: R$ 20.412,42.

Festa – A Fundac (Fundação Municipal de Cultura) gastou R$ 238,3 mil com estrutura do 12º Arraial de Santo Antônio. Os gastos, assinados pela ex-titular, Juliana Zorzo, foram com palco, segurança e serviços gráficos.

Tabela – Conforme os extratos dos contratos, publicados ontem no Diário Oficial de Campo Grande, cada empresa recebeu quase o mesmo valor para garantir a festa, em torno de R$ 79 mil. A KSM Estruturas para Eventos recebeu R$ 79.490. A WM Segurança ficou com R$ 79.380. E uma empresa de publicidade teve contrato de R$ 79.480,30.

Buraco ou caroço – A operação tapa buraco, na frente da Câmara Municipal, causou polêmica e incendiou a sessão de ontem. Para os operários, a ação era necessária para corrigir “um caroço”. Para o vereador Paulo Pedra (PDT), a operação tinha a finalidade de atrapalhar a manifestação dos professores.

Eleições – Políticos começam a buscar alternativa à janela para trocar de partido. O prazo termina em outubro e a reforma política ainda não avançou no Congresso Nacional. A Justiça pode ser a principal alternativa para trocar de sigla e não ter problemas durante a disputa em 2016.

(colaboraram Antonio Marques e Aline dos Santos)

DEM e a disputa entre André e Reinaldo
Já escolhi - Sobre a declaração de Puccinelli que estaria "namorando" o DEM, o deputado Zé Teixeira fez brincadeira para dizer de qual lado da disput...
Maioria prefere Lava Jato à Copa do Mundo
Copa? – Pesquisa do Instituto Paraná mostra que, a menos de um mês do Mundial da Rússia, o brasileiro não está muito motivado com o assunto. A consul...
Ex-ministro não errou o “do Sul”, mas...
Gafe - O ex-ministro Henrique Meireles (MDB) em um dos diversos discursos no evento em Campo Grande neste sábado (19) confundiu Mato Grosso do Sul co...
PMs presos têm “festival de ações”
Conhecidos da justiça - Entre as duas dezenas de policiais militares de Mato Grosso do Sul presos esta semana por suspeita de facilitar a vida dos co...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions