A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 20 de Outubro de 2018


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


07/08/2015 06:00

Estrutura de festa junina da crise custou R$ 238 mil

Edivaldo Bitencourt

Balanço – O prefeito Gilmar Olarte (PP), promete grande festa nesta sexta-feira para lançar o calendário de eventos alusivos ao aniversário de 116 anos de Campo Grande. Será a partir das 19h, no Clube Estoril.

Oportunidade – Além do pacote de aniversário, o prefeito vai aproveitar para fazer balanço dos 500 dias de gestão. Ele evitou o balanço de um ano. Vai apresentar as obras e ações desenvolvidas desde a posse, em 13 de março do ano passado.

Exemplos – O local da apresentação do pacote retoma uma tradição de André Puccinelli e Nelsinho Trad, que sempre lançaram os pacotes de obras no Clube Estoril.

Processante – A Câmara Municipal marcou para a próxima terça-feira, dia 11 de agosto, a votação do projeto que propõe a criação de Comissão Processante contra Gilmar Olarte.

Derrota – A oposição – formada por seis vereadores – já teve a primeira derrota ao não conseguir mudar o número mínimo de votos necessários para aprovar a Comissão Processante. O grupo queria reduzir para maioria simples.

Gasto – A Prefeitura de Campo Grande causou polêmica ao divulgar os salários de todos os servidores municipais. A publicação foi determinada pela Justiça, a pedido da ACP (Sindicato dos Profissionais da Educação Pública). O mesmo salário do prefeito é pago para outros 107 funcionários públicos: R$ 20.412,42.

Festa – A Fundac (Fundação Municipal de Cultura) gastou R$ 238,3 mil com estrutura do 12º Arraial de Santo Antônio. Os gastos, assinados pela ex-titular, Juliana Zorzo, foram com palco, segurança e serviços gráficos.

Tabela – Conforme os extratos dos contratos, publicados ontem no Diário Oficial de Campo Grande, cada empresa recebeu quase o mesmo valor para garantir a festa, em torno de R$ 79 mil. A KSM Estruturas para Eventos recebeu R$ 79.490. A WM Segurança ficou com R$ 79.380. E uma empresa de publicidade teve contrato de R$ 79.480,30.

Buraco ou caroço – A operação tapa buraco, na frente da Câmara Municipal, causou polêmica e incendiou a sessão de ontem. Para os operários, a ação era necessária para corrigir “um caroço”. Para o vereador Paulo Pedra (PDT), a operação tinha a finalidade de atrapalhar a manifestação dos professores.

Eleições – Políticos começam a buscar alternativa à janela para trocar de partido. O prazo termina em outubro e a reforma política ainda não avançou no Congresso Nacional. A Justiça pode ser a principal alternativa para trocar de sigla e não ter problemas durante a disputa em 2016.

(colaboraram Antonio Marques e Aline dos Santos)

Adeus a "Playboy" tem foto de bebida na mesa de bar
Despedida – Tem gosto amargo e dolorido, principalmente para as pessoas próximas, a última foto postada nas redes sociais por Marcel Colombo, conheci...
Campanha, tiro na escola e oportunismo
“Guerra virtual” – Não podia ser diferente. O episódio lamentável em que uma criança de 9 anos entrou armada na sala de aula em Campo Grande e atirou...
Justiça agora pode até cobrar Delcídio
Ainda à espera - A Justiça Eleitoral rejeitou o registro de candidatura de Delcídio Amaral (PTC) ao Senado, depois da derrota nas uras. A juíza Eliza...
Clima de campanha não poupa nem festões
Todo lugar - O clima de campanha, neste segundo turno polarizado, não deixa escapar nem os casamentos. Durante festa no sábado no bufê Murano, na Ave...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions