A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


10/03/2016 06:00

Expulsão de professor pode custar apoio a Bernal

Waldemar Gonçalves

Cartas marcadas – A eleição do novo procurador-geral de Justiça de Mato Grosso do Sul, cargo de comando do MPE (Ministério Público Estadual), já estaria definida antes mesmo de acontecer. A começar por serem apenas dois candidatos, os procuradores Paulo Cezar dos Passos e Gilberto Robalinho, à composição da listra tríplice que é enviada para escolha do governador, Reinaldo Azambuja (PSDB).

Passos largos – O preferido à sucessão no MPE seria Passos. Que já tem, inclusive, preferência declarada de Humberto Brittes. O atual PGJ o coloca como nome ideal, pois dará continuidade a seu trabalho no cargo. Falta, no entanto, combinar com as urnas. A eleição está marcada para o dia 1º de abril.

Menos um – O episódio em que o prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP), expulsou um professor durante reunião sobre reajuste salarial da categoria, na semana passada, pode render o fim da aliança com o PPS, um dos poucos partidos fieis a ele até agora. O assunto está na pauta do diretório regional para a próxima semana.

Sem faca no pescoço – Luiza Ribeiro, vereadora do PPS, é a única a declarar apoio a Bernal na Câmara. Até anteontem, o partido também tinha Aldo Donizete com cargo na Prefeitura. Ele se desligou para cuidar de seu projeto político, mas o PPS quer continuar preenchendo este espaço. O presidente regional, Ricardo Maia, diz que é cedo para falar em rompimento e manterá a luta em favor dos professores “sem colocar faca no pescoço de ninguém”.

Enquanto existir – “Só vou deixar o partido se ele deixar de existir”. A frase é do deputado estadual Cabo Almi, dita ao ser questionado sobre eventual saída do PT diante do cenário de crise e escândalos envolvendo a legenda, que já resultou na saída do prefeito de Corumbá, Paulo Duarte. “Tenho uma história de mais de 22 anos junto ao PT e nunca cogitei deixá-lo”, garante o parlamentar.

Benção – Não adiantou 50 capoeiristas irem até a Assembleia Legislativa, ontem, manifestar apoio a projeto que autoriza escolas estaduais a implantar a capoeira na grade curricular. O veto do Executivo à proposta foi mantido pelos parlamentares, com placar de 10 votos a 7, engavetando de vez a matéria.

Paranauê – Autor do projeto da capoeira, o deputado João Grandão (PT), disse que texto idêntico foi aprovado no Rio de Janeiro, Bahia e Rio Grande do Sul, todos por meio da Assembleia Legislativa, contraindo a justificativa do governador do Estado, Reinaldo Azambuja (PSDB), que disse ser a implantação do projeto exclusiva do Executivo Estadual.

Provocação – O deputado estadual Zé Teixeira (DEM) disse ontem que já esperava veto a projeto apresentado por ele sobre isenção de Fundersul para propriedades invadidas. E analisou em tom provocativo: “sei que o projeto é inconstitucional, o que fiz foi uma provocação, inclusive sugeri que o depósito do imposto fosse em juízo, pois quando atinge a arrecadação do Estado, então o poder público toma providências”.

4-4-2 – O presidente do Comercial, Ítalo Milhomem, distribuía ingressos na porta do Estádio Jacques da Luz, ontem à tarde, antes de seu time entrar em campo contra o Cuiabá em partida válida pela Copa Verde. Mesmo assim, 1.136 torcedores foram prestigiar o espetáculo, que terminou em empate sem gols. Detalhe: era para o jogo ser à noite, mas o sistema de iluminação da arena não funciona.

Destaque em campo – Aloisio, veterano e estrela do Comercial, foi destaque no jogo. O maqueiro levou um tombo e se machucou ao entrar em campo para socorrê-lo, ainda no primeiro tempo. O atacante deixou o campo em pé, mancando, e inclusive ajudando no socorro ao socorrista, que precisou de atendimento médico fora das quatro linhas.

(com a redação)

Reinaldo apoia crescimento dos evangélicos
Decisão divina - Palestrante principal do Fórum Evangélico realizado nesta segunda-feira em Campo Grande, a cantora e pastora Damares Alves disse que...
2018 será ano mais curto para o Legislativo
Três meses – Carnaval, Semana Santa, campanhas eleitorais, Copa... Tudo isso encurta 2018 para os trabalhos legislativos. A observação é de Fábio Tra...
Máfia do Cigarro passa quase livre nas estradas
Esquema antigo - A atuação da Máfia do Cigarro em Mato Grosso do Sul vem de décadas e, de tempos em tempos, surge uma nova denúncia envolvendo polici...
MS também tem "bunker" cheio de dinheiro
Versão tupiniquim - O “bunker”de Geddel Vieira, que escondeu R$ 51 milhões de propina, tem versão pantaneira. Paredes de apartamento de um político e...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions