ACOMPANHE-NOS    
JULHO, SEXTA  10    CAMPO GRANDE 27º

Jogo Aberto

Fiscais

Por Jogo Aberto | 21/11/2012 06:00

Posicionamento
Líder do PMDB na Assembleia Legislativa, o deputado Eduardo Rocha opinou que seu partido deve ser oposição do prefeito eleito Alcides Bernal em Campo Grande. “Não oposição destrutiva, mas fiscalizar o cumprimento de promessas. Ele se elegeu com base nas promessas, como o congelamento do IPTU”.

Projeto 2014
Ao falar que deve deixar o comando do diretório do PMDB em Três Lagoas, Rocha explicou que seu plano é cuidar de pelo menos 20 municípios em que seu partido detém o comando. Tudo isso de olho na reeleição como deputado estadual na próxima eleição.

Análise
Ainda sobre a eleição estadual, o peemedebista colocou em igualdade de condições as chances de Simone Tebet e Nelsinho Trad de  serem candidatos da legenda ao Governo do Estado.

Falta muito
Questionado se sua esposa leva vantagem por não carregar o desgaste de Campo Grande, o parlamentar disse que ainda é cedo para avaliar.

Depende
“Depende se o Bernal (como prefeito) for mal, o Nelsinho se fortalece”, disse, acrescentando que o contrário também pode ocorrer e causar reflexo também na condição da candidatura de Delcídio Amaral ao Governo.

Sugestão
“Os dois juntos, então, são muito fortes”, declarou o peemedebista, numa indicação de que o partido pode apostar na união de Simone e Nelsinho em 2014, sem detalhar como seria esta aliança.

Cobrança
Os deputados do PT, Cabo Almi e Pedro Kemp, discursam ontem (20), durante a sessão da Assembleia Legislativa, para criticar a Prefeitura de Campo Grande. Eles enxergam descaso em áreas como asfaltamento, além de garantirem que existem praças abandonadas na cidade.

Cobrança 2
Os petistas cobraram que a administração execute os serviços com excelência para que o prefeito eleito, Alcides Bernal (PP), não assuma “pepinos” logo no início de mandato. “O prefeito devia resolver estas coisas e não cuidar de licitações em final de mandato”, disparou Kemp.

Réplica
O deputado Marquinhos Trad, por outro lado, retrucou. Acusou seus colegas de Casa de não fazerem críticas técnicas e apenas políticas.

Fiscalização
Diante da informação de que a Enersul estaria praticando cobranças abusivas nas contas dos consumidores, Marquinhos cobrou os órgãos fiscalizadores, como a Agepan.

Faturando?
Além disso, levantou a possibilidade de superfaturamento da concessionária, citando que a empresa compra lotes de energia por um determinado preço logo no início do ano, baseados em médias de consumos mensais. “Se para um mês houve a compra de 300 kw e o consumo foi de 200 kw, a Enersul ganha”.