A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


26/02/2016 06:00

Funai tenta explicar omissão na morte do "indiozinho"

Waldemar Gonçalves
Foto postada por Aloisio após partida em que marcou primeiro gol pelo Comercial. (Foto: Reprodução / Instagram)Foto postada por Aloisio após partida em que marcou primeiro gol pelo Comercial. (Foto: Reprodução / Instagram)

Tarde demais – Como se não bastasse a tragédia social que resulta no conflito entre índios e fazendeiros, além das peculiaridades culturais e até o preconceito, o caso do “indiozinho” Edemar, de 4 anos, reflete a falência, ineficácia e inoperância da Funai (Fundação Nacional do Índio), órgão que, em tese, deveria não ter medido esforços para evitar a morte do garoto. Alheia à história desde sempre, ontem, após o menino ter morrido, enfim a fundação resolveu se manifestar.

Tentando explicar – Em nota enviada à redação, já na tarde de ontem, a Funai tenta explicar que o atendimento a Edemar não era sua atribuição. Alega que a cirurgia só foi feita porque convenceu o guardião legal da criança, um tio dela, a autorizá-la e chegou a estudar intervenção judicial em favor do menino.

O inexplicável – Detalhe: Edemar ficou mais de um ano morando em hospitais e, tão logo soube da situação dele, ainda em janeiro, o Campo Grande News acionou a Funai para que se manifestasse. A informação, à época, inclusive noticiada, foi de que o órgão sequer sabia do caso do menino.

Só por Deus I – Ter um administrador muito ligado à religião pode ter destas coisas. Em Goiandira, sudoeste de Goiás, o prefeito Rick Marcus baixou decreto instituindo o no mínimo curioso Dia de Jejum Municipal como uma das ações de combate à dengue. O objetivo é “clamar a Deus por livramento e misericórdia” diante do avanço da doença no município. “Estamos enfrentando uma batalha contra a dengue e todas as armas são válidas. Ação, oração, fé, tudo é válido”, disse ele, por meio de nota.

Só por Deus II – Em Campo Grande, a cidade viveu dias de polêmica quando, em 2014, a cantora Rita Ribeiro foi proibida de apresentar sua Tecnomacumba na extinta Quinta Gospel, evento cultural voltado ao público religioso bancado pela Prefeitura. À época, o município era administrado por Gilmar Olarte, que é pastor evangélico.

Viagem – Após pedir licença do Senado para cuidar da saúde, o senador Delcídio do Amaral (PT-MS) requisitou ao STF (Supremo Tribunal Federal) permissão para viajar a São Paulo (SP), onde deverá passar por exames médicos. O parlamentar já comentou que os dias de cuidados com a saúde são necessários para “zerar o jogo” antes de voltar ao parlamento.

Com carinho – Aloisio Chulapa, veterano artilheiro de destaque em clubes como o São Paulo, ficou feliz ao desencantar e marcar seu primeiro gol no Sul-mato-grossense de Futebol, que disputa pelo Comercial, em partida contra o Misto, na quarta-feira. Tanto que, no Instagram, postou foto ao lado de dois guardas municipais, tirada logo após a partida: “Depois da vitória o carinho dos torcedores foi assim”, escreveu no post.

Abaixo-assinado – A exoneração de diretores de unidades educacionais, pelo prefeito Alcides Bernal (PP), continua dando o que falar. Há casos de pais que fizeram abaixo-assinado pedindo para a Prefeitura revogar a decisão, como no caso da Escola Municipal Professor José de Souza, no Oliveira III. Segundo eles, o bom desempenho do estabelecimento em índices de avaliação contraria o argumento de que a mudança na direção seguiu critérios técnicos.

Tudo está parado – Desde que Bernal retornou à prefeitura não são realizadas reuniões do Codecon (Conselho Municipal de Desenvolvimento Econômico) que, como o próprio nome diz, trata de concessões de vantagens públicas a investimentos privados na cidade. Nem mesmo a posse dos novos membros aconteceu. E ainda teria confusão sobre datas: metade dos atuais conselheiros foi informada que a reunião aconteceria ontem, outra metade na segunda-feira (29).

PRB em Dourados – O PRB prepara um “grande evento político” para o dia 10 de março, em Dourados, para lançar a pré-candidatura do vereador Marcelo Mourão a prefeito da segunda maior cidade de MS. Mourão saiu do PSD nesta semana, na janela partidária, e assina ficha no PRB no mesmo dia do lançamento. O partido é controlado por pastores evangélicos em Mato Grosso do Sul.

(com a redação)

Após "perder" cargo, deputado muda o tom
Mudou – Antes cotado para assumir uma secretaria do governo do Estado, o deputado Coronel David (PSC) está agindo ultimamente como oposição ao Govern...
Reinaldo apoia crescimento dos evangélicos
Decisão divina - Palestrante principal do Fórum Evangélico realizado nesta segunda-feira em Campo Grande, a cantora e pastora Damares Alves disse que...
2018 será ano mais curto para o Legislativo
Três meses – Carnaval, Semana Santa, campanhas eleitorais, Copa... Tudo isso encurta 2018 para os trabalhos legislativos. A observação é de Fábio Tra...
Máfia do Cigarro passa quase livre nas estradas
Esquema antigo - A atuação da Máfia do Cigarro em Mato Grosso do Sul vem de décadas e, de tempos em tempos, surge uma nova denúncia envolvendo polici...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions