A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 16 de Outubro de 2017


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


03/06/2015 06:00

Prefeitura da capital também é cobiçada por "forasteiros"

Edivaldo Bitencourt

Oportunidade – A falta de um favorito transformou a eleição municipal de 2016 em uma das mais cobiçadas da história de Campo Grande. Só o PP tem dois candidatos: o atual prefeito, Gilmar Olarte, e o cassado, Alcides Bernal.

PMDB – O PMDB tem oito pré-candidatos, um recorde nos últimos anos. Além de André Puccinelli, franco favorito, o partido vai testar a popularidade e a capilaridade de mais sete nomes. O segundo com maior potencial é o deputado estadual Marquinhos Trad, que está de malas prontas para deixar a sigla.

Forasteiro – Maior colégio eleitoral do Estado e com um orçamento de R$ 3 bilhões, a Capital também atraiu candidatos “importados”. Um dos nomes é o deputado estadual Felipe Orro (PDT), que foi prefeito de Aquidauana por dois mandatos.

Opção – A deputada estadual Mara Caseiro (PTdoB) também sonha com a disputa da sucessão de Gilmar Olarte. Ela foi prefeita de Eldorado por dois mandatos e também se coloca como opção para disputar a candidatura pelo partido, junto com Márcio Fernandes e o vereador Flávio César.

Discórdia – O deputado federal Zeca do PT, que só não virou prefeito por uma diferença de 411 votos em 1996, sonha em voltar a disputar a Prefeitura de Campo Grande. No entanto, ele tem um adversário forte no PT, o presidente da Cassems, Ricardo Ayache.

Bastidores – A disputa pela prefeitura alimenta guerra renhida nos bastidores. Assessores de pré-candidatos trocam farpas e perdem horas do dia nas redes sociais e nos jornais em busca de um escorregão ou escândalo envolvendo o potencial adversário do assessorado.

Platéia – O deputado estadual João Grandão (PT) negou que tenha jogado para a platéia durante o protesto dos professores na Assembleia Legislativa. Ele disse que é professor e até apresentou uma moção de congratulação ao presidente da Fetems, Roberto Botarelli. Ele até caminhou com os docentes durante o protesto no Parque dos Poderes.

Fracassou – Alias, o protesto dos professores foi um fracasso na manhã de ontem. A mobilização impressionou quem viu. No entanto, o número, de aproximadamente 4 mil pessoas, ficou muito aquém dos 40 mil previstos, na semana passada, pelo presidente da Fetems.

Curso intensivo – O deputado Amarildo Cruz (PT) teve uma longa conversa ao pé do ouvido com o presidente da Fetems, Roberto Botarelli. Em seguida, o petista usou a tribuna para fazer um longo discurso em defesa dos educadores, que lotaram o legislativo na manhã de ontem.

Baixa – A administração municipal terá uma nova baixa em julho. O advogado Rodrigo Pimentel deve deixar a Secretaria Municipal de Governo. Ele será o 11º integrante a deixar a administração de Olarte, iniciada em março de 2014.

(colaborou Leonardo Rocha)

Bonito quer bombar com shows gringos no Carnaval
Bombando - Empresários estão investindo pesado no Carnaval de Bonito 2018. Além da celebridade internacional Paris Hilton, uma das atrações em negoci...
Fábrica planeja investimento de meio bilhão em porto
Projeto ambicioso – Depois de inaugurar mais uma unidade em Três Lagoas, ampliando a produção de celulose, a Fibria negocia com a ampliação da estrut...
MS cumpre "regra de ouro" na finança pública
Melhor que os outros – Existe uma máxima em finanças públicas de que os governos, para não cair em estado de insolvência, não devem custear despesas ...
Reinaldo diz que ação contra o crime não pode ser só no RJ
Mal gerido – Neste ano, o Ministério da Justiça e Segurança Pública gastou R$ 185,77 milhões do FNSP (Fundo Nacional de Segurança Pública), conforme ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions