A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


03/06/2015 06:00

Prefeitura da capital também é cobiçada por "forasteiros"

Edivaldo Bitencourt

Oportunidade – A falta de um favorito transformou a eleição municipal de 2016 em uma das mais cobiçadas da história de Campo Grande. Só o PP tem dois candidatos: o atual prefeito, Gilmar Olarte, e o cassado, Alcides Bernal.

PMDB – O PMDB tem oito pré-candidatos, um recorde nos últimos anos. Além de André Puccinelli, franco favorito, o partido vai testar a popularidade e a capilaridade de mais sete nomes. O segundo com maior potencial é o deputado estadual Marquinhos Trad, que está de malas prontas para deixar a sigla.

Forasteiro – Maior colégio eleitoral do Estado e com um orçamento de R$ 3 bilhões, a Capital também atraiu candidatos “importados”. Um dos nomes é o deputado estadual Felipe Orro (PDT), que foi prefeito de Aquidauana por dois mandatos.

Opção – A deputada estadual Mara Caseiro (PTdoB) também sonha com a disputa da sucessão de Gilmar Olarte. Ela foi prefeita de Eldorado por dois mandatos e também se coloca como opção para disputar a candidatura pelo partido, junto com Márcio Fernandes e o vereador Flávio César.

Discórdia – O deputado federal Zeca do PT, que só não virou prefeito por uma diferença de 411 votos em 1996, sonha em voltar a disputar a Prefeitura de Campo Grande. No entanto, ele tem um adversário forte no PT, o presidente da Cassems, Ricardo Ayache.

Bastidores – A disputa pela prefeitura alimenta guerra renhida nos bastidores. Assessores de pré-candidatos trocam farpas e perdem horas do dia nas redes sociais e nos jornais em busca de um escorregão ou escândalo envolvendo o potencial adversário do assessorado.

Platéia – O deputado estadual João Grandão (PT) negou que tenha jogado para a platéia durante o protesto dos professores na Assembleia Legislativa. Ele disse que é professor e até apresentou uma moção de congratulação ao presidente da Fetems, Roberto Botarelli. Ele até caminhou com os docentes durante o protesto no Parque dos Poderes.

Fracassou – Alias, o protesto dos professores foi um fracasso na manhã de ontem. A mobilização impressionou quem viu. No entanto, o número, de aproximadamente 4 mil pessoas, ficou muito aquém dos 40 mil previstos, na semana passada, pelo presidente da Fetems.

Curso intensivo – O deputado Amarildo Cruz (PT) teve uma longa conversa ao pé do ouvido com o presidente da Fetems, Roberto Botarelli. Em seguida, o petista usou a tribuna para fazer um longo discurso em defesa dos educadores, que lotaram o legislativo na manhã de ontem.

Baixa – A administração municipal terá uma nova baixa em julho. O advogado Rodrigo Pimentel deve deixar a Secretaria Municipal de Governo. Ele será o 11º integrante a deixar a administração de Olarte, iniciada em março de 2014.

(colaborou Leonardo Rocha)

Após "perder" cargo, deputado muda o tom
Mudou – Antes cotado para assumir uma secretaria do governo do Estado, o deputado Coronel David (PSC) está agindo ultimamente como oposição ao Govern...
Reinaldo apoia crescimento dos evangélicos
Decisão divina - Palestrante principal do Fórum Evangélico realizado nesta segunda-feira em Campo Grande, a cantora e pastora Damares Alves disse que...
2018 será ano mais curto para o Legislativo
Três meses – Carnaval, Semana Santa, campanhas eleitorais, Copa... Tudo isso encurta 2018 para os trabalhos legislativos. A observação é de Fábio Tra...
Máfia do Cigarro passa quase livre nas estradas
Esquema antigo - A atuação da Máfia do Cigarro em Mato Grosso do Sul vem de décadas e, de tempos em tempos, surge uma nova denúncia envolvendo polici...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions