ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, SEGUNDA  03    CAMPO GRANDE 29º

Arquitetura

Arte que se espalha em muro “abraça” curiosos na pandemia

Após dias pintando, a forma como a artista plástica e arquiteta Natacha Figueiredo fez o desenho é que gerou curiosidade.

Por Thailla Torres | 24/07/2020 06:19
Paisagens e arquitetura desenhados atraem curiosos no Jardim Autonomista.
Paisagens e arquitetura desenhados atraem curiosos no Jardim Autonomista.

Uma vila antiga, com aspectos da arquitetura europeia e paisagismo entre paredes, portas e janelas, se multiplica a cada passeio do olhar pelos traços da obra recém finalizada pela artista plástica e arquiteta Natacha Figueiredo, na Rua Doutor Paulo Machado, em Campo Grande. O movimento marcado no muro em tinta preta tem atraído curiosos e virou “abraço”, segundo a artista, para moradores antigos que não colocam a cara para fora de casa em meio a pandemia.

É uma criação que, para além de trazer um valor estético à fachada de um escritório de arquitetura, tem dois objetivos bem delineados.

Ao mesmo tempo em que conta uma história da relação do lugar com a arquitetura e o paisagismo, dando peso de criatividade, os traços delicados que foram surgindo ao longo dos dias nessa quarentena virou distração, especialmente para a vizinhança, que viu de perto o avanço da obra e todo dia perguntava o que a artista fazia por ali.

Vizinhança até parava para conversar com a artista. (Foto: Arquivo Pessoal)
Vizinhança até parava para conversar com a artista. (Foto: Arquivo Pessoal)

“Tinha uma moradora que até tomava café comigo, alguns passavam e perguntavam o que eu estava fazendo. Outros, ao verem eu pintando até no período da noite, com um refletor e uma escada, passavam gritando pedindo para que eu fosse para casa. Mas cada traço naquele muro era um desafio emocionante”, descreve a arquiteta Natacha Figueiredo, autora do desenho.

Na visão de Natacha, esse foi um dos seus maiores desafios como artista grafiteira, já que o spray foi deixado de lado e ela escolheu pintar o muro com mais de 10 metros todo com pincel fininho. “Foi a primeira vez que fiz uma obra com um pincel tão pequeno em muro, o maior que eu já fiz dessa maneira. Foi demorada, mas foi a forma que eu encontrei de levar mais delicadeza ao muro, aos desenhos.”

O muro virou tela para a obra de arte depois que a proprietária do escritório de arquitetura, Ateliê 1285, Ludmila Vasco, decidiu parar de lutar contra pichação em seu muro.

“Desde que me mudei para aquela casa, onde hoje na verdade é o nosso escritório, eu sempre vi o muro ser pichado. Eu passava tinta e, em poucos dias, surgia a pichação. Foi quando eu resolvi nem investir mais na fachada.”

Foi o maior muro que Natacha desenhou com pincel. (Foto: Alexandre Radtke)
Foi o maior muro que Natacha desenhou com pincel. (Foto: Alexandre Radtke)

Durante muito tempo o investimento dela e das sócias foi somente no interior do escritório. “Eu cheguei a cogitar uma pintura nova, fachada mais moderna ou revestimento, mas abandonei por medo que pichassem de novo.”

Mas, tratando-se de arte, Ludmila acredita que exista um respeito. “Se o muro é uma tela em branco, percebi que sempre haverá uma pichação. Foi quando eu decidi colocar nele arte, especialmente o grafite” diz a arquiteta, que acredita na conexão e respeito da pichação com a linguagem artística.

A pandemia também impulsionou, lembra Ludmila. “Tudo isso que está ocorrendo no mundo fez muita gente colocar em prática sonhos antigos.”

Logo no início da pandemia, a arquiteta e as sócias sentaram com Natacha para conversar sobre a obra. “Não queria nada clichê, mas algo que remetesse à arquitetura, ao nosso trabalho, ao nosso amor por ele”.

Quando a artista chegou com o croqui e as referências de uma arquitetura europeia desenhadas à mão numa folha grande de papel, Ludmila se apaixonou. “Na hora eu me encantei, a Natacha conseguiu desenhar exatamente o que a gente sonhava.”

Após muitas horas e dias de trabalho, sobe e desce de escada, suor e muita explicação aos curiosos, Natacha terminou a obra que quebra a rotina do olhar de quem passa na frente do escritório. “É muito bacana ver as pessoas curiosas, tirando foto, tentando entender a história contada através dos traços”.

Curta o Lado B no Facebook e no Instagram. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.

Muro quebra a rotina de quem passa em frente ao escritório.
Muro quebra a rotina de quem passa em frente ao escritório.