ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, QUINTA  13    CAMPO GRANDE 23º

Comportamento

Aos 10 anos, Nícolas toca "Marcha Turca" no piano e impressiona

Ele pratica as aulas há apenas quatro anos e já toca o instrumento com destreza e maestria

Por Idaicy Solano | 19/05/2024 07:00
Aos 10 anos de idade, Nicolas surpreende com altas habilidades para tocar piano (Foto: Juliano Almeida)
Aos 10 anos de idade, Nicolas surpreende com altas habilidades para tocar piano (Foto: Juliano Almeida)

Com apenas 10 anos de idade, Nícolas Rodrigues surpreende a todos ao tocar com maestria e destreza o clássico "Marcha Turca" no piano. Ele pratica as aulas há apenas quatro anos, mas já demonstrou para a professora de piano, Daniela Santos Benanto, 51, que possui muita habilidade com o instrumento.

Além da prática, a professora trabalha a teoria com Nícolas, em exercícios escritos, com tempo estipulado para realizar as atividades. “O estilo dele é música clássica, só que a gente vai adaptando, vai colocando alguns acordes, algumas músicas que ele quer tocar. Algumas músicas são de videogame, que ele gosta, outras mais rápidas, que nem a marcha turca”.

A professora ressalta que o ponto principal, é que a música trabalha o cognitivo e trabalha a concentração dele. “O que ele fez em quatro anos, demoraria uns seis pelo menos, na faixa etária dele. Um estudo de piano, no mínimo, vai uns 10, 12 anos. [Ele] é um talento bruto que precisa ser lapidado”, reforça a professora.

Próximo objetivo da criança é tocar a música 'Brasileirinho' no piano (Foto: Juliano Almeida)
Próximo objetivo da criança é tocar a música 'Brasileirinho' no piano (Foto: Juliano Almeida)
Professora explica que Nicolas gosta de tocar músicas rápidas (Foto: Juliano Almeida)
Professora explica que Nicolas gosta de tocar músicas rápidas (Foto: Juliano Almeida)

Nícolas tem diagnóstico de TEA (Transtorno do Espectro Altista), e além de ter os pensamentos muitos "acelerados", possui dificuldade em manter o foco e a concentração na realização de tarefas.

A professora conta que na primeira aula, Nícolas tocou o piano por uns dez minutos, e levantou, já querendo ir embora. Questionado do porquê quis deixar a aula, ele já nem se lembra mais. “Mas eu acho que era porque eu não conhecia bem o piano”, diz.

Porém com o decorrer das aulas, o interesse da criança foi crescendo cada vez mais, e logo Daniela notou que Nícolas aprendia as lições rápido demais, além da destreza e maestria dele para tocar. Ela também percebeu que o aluno não gostava de músicas lentas. Daniela dá aulas de piano há 20 anos, e garante que nunca encontrou um aluno igual ao Nícolas. “Ele surpreendeu a gente mesmo”.

“O cérebro dele é acelerado, e ele tinha uma certa impaciência e era muito disperso, passou alguma coisinha aqui, ele já distraía. Agora com o piano, não, ele foca, e a gente consegue acelerar as lições dele. E ele é o estilo de aluno que toca rápido, ele gosta das músicas mais aceleradas, porque o cérebro dele pensa rápido então ele executa rápido”, explica Daniela.

Daniele ao lado do aluno, Nicolas durante as aulas de piano (Foto: Juliano Almeida)
Daniele ao lado do aluno, Nicolas durante as aulas de piano (Foto: Juliano Almeida)
Daniela mostra caderno de atividades de Nicolas, onde cada exercício tem um tempo estipulado para ele completar (Foto: Juliano Almeida)
Daniela mostra caderno de atividades de Nicolas, onde cada exercício tem um tempo estipulado para ele completar (Foto: Juliano Almeida)

Conforme explica a mãe de Nícolas, Michele Rodrigues, 52, ela colocou o filho para fazer as aulas de piano, como uma tentativa para trabalhar a concentração e o foco da criança. Após as aulas, ela notou que o filho tem mais concentração e melhorou bastante a coordenação motora fina.

“Ele precisa de vários estímulos, e a gente estava passando pela pandemia, e na pandemia procurei coisas pra ele fazer que fossem legais, agradáveis. Fui procurar o hipismo, e ele não se interessou. Aí a gente procurou o karatê, mas levou um tempo pra ele engrenar”, conta Michele.

Michele submeteu o filho a testes de QI e altas habilidades, e o resultado foi positivo. Ela comenta que as escolas, às vezes, não estão preparadas para estes alunos, porque eles são questionadores e são desafiadores. "Eles desafiam porque eles também querem ser desafiados. E [após o teste de altas habilidades] foi legal porque, eu descobri outras famílias, descobri um mundo novo onde eu vi que várias coisas, vários desafios que a gente estava passando, outras famílias também passam", finaliza.

Acompanhe o Lado B no Instagram @ladobcgoficial, Facebook e Twitter. Tem pauta para sugerir? Mande nas redes sociais ou no Direto das Ruas através do WhatsApp (67) 99669-9563 (chame aqui).

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias