ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, DOMINGO  19    CAMPO GRANDE 17º

Comportamento

Ela correu São Silvestre após ouvir “que só ficaria pior” com a esclerose

Michelle ouviu que “ficaria cada vez pior com a doença”, mas escolheu viver um dia de cada vez e ser feliz

Thailla Torres | 04/01/2022 10:19
Michelle agradecendo durante corrida na São Silvestre 2021, em São Paulo. (Foto: Arquivo Pessoal)
Michelle agradecendo durante corrida na São Silvestre 2021, em São Paulo. (Foto: Arquivo Pessoal)

Se há dois anos alguém falasse sobre a esclerose múltipla ou questionasse a doença de Michelle Chiarello, certamente, ela responderia com a voz embargada ou chorando. Hoje, é com sorriso no rosto que ela fala e acolhe pessoas que vivem o mesmo desafio: o de ser feliz após o diagnóstico.

Campo-grandense de coração, que viveu aqui durante 28 anos, ela narra a superação vivida no dia 31 de dezembro, quando conseguiu correr 15 km da tradicional São Silvestre em São Paulo. O trajeto cumprido representou não só a força que ela busca diariamente, mas também a chance que ela deu para a vida, sem levar em consideração as tristes palavras que ouviu pelo caminho.

O diagnóstico de esclerose foi em 2015, quando Michele cursava Enfermagem. Os sintomas apareceram com a dificuldade para enxergar. “Eu enxergava tudo duplo. Fui ao oftalmologista, ele me disse que na parte ocular, não tinha nada e fui encaminhada ao neurologista. Com a ressonância magnética, foi identificada as lesões”.

Daquele momento em diante, Michelle viveu um período de susto. “Imagina como é receber um diagnóstico sendo mãe de dois filhos, que tinham 12 e 9 anos na época. Eu tinha medo de perder os movimentos, afinal, é uma doença que a gente não sabe o que pode acontecer”.

Michelle correu com balões que levavam nomes de pessoas especiais.
Michelle correu com balões que levavam nomes de pessoas especiais.

Michelle iniciou o tratamento com as primeiras injeções. Na primeira tentativa, houve perda de força no braço e foi necessário trocar a medicação. Ela tinha consciência que remédio algum traria a cura, mas seria possível estabilizar a doença.

Em uma nova troca de medicações, Michelle sofreu com um período longo de efeitos colaterais, que iam de náuseas a convulsões. “Apesar das reações adversas, meu médico autorizou o pilates. Comecei a fazer atividade física e parti para a caminhada, musculação, até que fui chamada para participar de um grupo de corrida”.

O que ela suspeitava que fossem poucos metros, viraram 15 quilômetros conquistados na última São Silvestre. Michele correu com balões amarrados no corpo. Em um deles, ela agradecia à família e os amigos que a ajudaram durante todo o processo. Outro era um agradecimento a Deus e também à associação que faz parte.

Ao tentar descrever a emoção vivida, Michelle fica com a voz embargada de felicidade, não só pela corrida, mas por ter vencido, quando um dia ouviu que não iria tão longe.

“Quando tive algumas complicações e fui aposentada, eu ouvi de um médico que eu ficaria cada vez pior. Eu não melhorei da doença, mas estou estabilizada. Então, durante a corrida, lembrei muito desse médico e de como não estou pior como ele mencionou”, diz.

Por isso, além da atividade física e dos tratamentos com medicamentos, Michelle faz acompanhamento psicológico e se dedica hoje a falar com  pessoas recém-diagnosticadas ou que vivem com a doença há tempo.

“Como presidente da Associação de Esclerose Múltipla de Florianópolis, ajudamos e orientamos pacientes que estão no começo da doença. E falar hoje me fortalece muito. A doença traz um medo gigantesco do futuro e eu tiro muitos mitos para que todos possam continuar vivendo”.

Campo Grande News - Conteúdo de Verdade

Curta o Lado B no Facebook. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.

Nos siga no Google Notícias