ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, SÁBADO  06    CAMPO GRANDE 16º

Comportamento

Nada de "Que tiro foi esse", hino do Carnaval fala de sexo que mulheres adoram

Música do Mc 2K desbancou Anitta, Pabblo Vittar e Jojo Toddynho neste ano, pelo menos em Campo Grande

Por Thaís Pimenta | 14/02/2018 06:15
Um dos pontos do fervo do último dia de Carnaval estava concentrado em frente a Estação Ferroviária. (foto: Paulo Francis)
Um dos pontos do fervo do último dia de Carnaval estava concentrado em frente a Estação Ferroviária. (foto: Paulo Francis)

A cada dez minutos era possível ouvir pelas rodinhas do Carnaval na Esplanada de Campo Grande a galera cantando, em hino, o funk do Mc 2K, “Chupa Xoxota”. Era quase que uma atração a parte que fazia gente que nunca se viu antes cantar junto.

Homens e mulheres, héteros e gays caíam na farra declamando a poesia da putaria popular e, por incrível que pareça, não teve nem pra Jojo Toddynho e nem pra Anitta com seus “hits” chicletes Que Tiro Foi Esse e Vai Malandra.

Por mais que muita gente considere a letra fútil demais, ela acaba trazendo um tema que já foi tabu entre os dois gêneros pra discussão e escancara, querendo ou não, o quanto as mulheres gostam de receber sexo oral.

Para o publicitário e marketeiro Pedro Paulo, que também trabalha com música nas horas vagas, a letra tem uma questão no pano de fundo sobre empoderamento feminino. “Por mais que seja uma poesia de baixo nível não deixa de exaltar o feminino. Antes a gente só ouvia letras com conteúdo oposto. É uma expressão muito autêntica da periferia, de falar o que o povo quer ouvir, não existe um padrão do que é música boa, a música trabalha com conexão, sobre despertar coisas em pessoas e esse funk tem muito isso”, disse ele.

Pedro Paulo acha que funk empodera as mulheres. (Foto: Paulo Francis)
Pedro Paulo acha que funk empodera as mulheres. (Foto: Paulo Francis)

No meio da folia,em frente a Estação Ferroviária, Peterson Paganoti, 26 e Marcelo Junior, 26, estavam no comando de um aparelho de som potente e, em volta deles, pelo menos 200 pessoas cantavam e rebolavam o bumbum com a composição do Mc 2K.

“A gente trouxe esse movimento do Rio de Janeiro, do baile do Jaca e Borel, que são rivais lá e é um rolê que curtimos. Esse funk eu acho que é uma música chiclete que traz a possibilidade de ser cantada da visão delas também, escuto muitas héteros substituindo os termos”, brincam os amigos.

A galera quando canta, em coro, canta com emoção, o que levanta a dúvida: será que o povo gosta mesmo de fazer sexo oral?

Para os dois, sim. “É muito bom. A maioria das pessoas que canta curte sim, mas acho que no geral nem todo cara gosta de fazer mesmo, fica no meio a meio. Eu fecho com quem gosta de chupar as minas, acho essencial. Mas quem é gay, por exemplo, não gosta e nossa sociedade não tem mais porque ver isso de modo unilateral”, completa Peterson.

Os amigos Bruno Santos e Priscila. (Foto: Paulo Francis)
Os amigos Bruno Santos e Priscila. (Foto: Paulo Francis)

Para a manicure Priscila Santos, 36, a galera canta a música pra incentivar o clima promíscuo, maneira que muita gente escolhe viver o Carnaval. “Mas eu acho sim que os caras, e as minas homossexuais, gostam de fazer! A galera canta com muita emoção né?”, brinca.

O público, que já cantava mais timidamente a mesma música no ano passado, se superou dessa vez. Para o professor Bruno Santos, de 25 anos, a letra é preferida pela molecada. “Os mais jovens curtem o pesadão, aquele funk que não dá pra ouvir no churrasco de família né? Diferente de outros que a gente já ouviu também muito no Carnaval, como o da MC Loma”, elenca.

Curta o Lado B no Facebook e no Instagram