ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, SÁBADO  24    CAMPO GRANDE 22º

Comportamento

Vira-lata escolhe posto como moradia e vira "frentista" na madrugada

Por Anny Malagolini | 06/01/2014 06:54
Matilde virou atração  do posto de combustível em Ponta Porã.
Matilde virou atração do posto de combustível em Ponta Porã.

Em Ponta Porã, a cachorra apelidada de “Matilde” virou mascote. No posto de combustível “Auto Fazendeiro”, na avenida Brasil é também uma atração. E como “recompensa” pelo lar e comida, Matilde agradece espantando os “malandros” que andam pela região.

O frentista Adilson Silva Mota, de 35 anos, conta que Matilde apareceu em uma lanchonete perto do posto, enquanto ele estava lanchando. Perdida e com fome, ele comprou um lanche para a cadela – motivo de laço eterno entre os dois. Ela o acompanhou até o posto e ficou até hoje.

O expediente de Adilson é das 22 horas às 6 da manhã, e Matilde, segue acordada a madrugada toda. Só quando o amigo vai embora, ela dorme. “Ela protege o posto, espanta pessoas “estranhas”, e é minha companheira”, conta com carinho a “amizade” criada com o animal.

Vira-lata escolhe posto como moradia e vira "frentista" na madrugada

Matilde foi batizada por uma cliente do posto que sem pensar a chamou assim e ela atendeu pelo nome. Mas Adilson revela que os íntimos a chamam de “gorda”. “Ela é cruza de morcego com cachorro e canguru”, brinca.

Segundo o frentista, Matilde é um animal carinhoso e cativante, e por isso, frentistas, clientes e os proprietários do posto fazem vaquinhas para comprar ração e quando é preciso a levam ao veterinário. “Ela já teve três crias, e na ultima gestação pagamos a laqueadura”, conta.

“Tem cliente que não para abastecer e sim para brincar com ela”, conta o frentista. Paulo Roberto, de 42 anos, é um dos moradores da cidade que virou cliente do posto principalmente por conta do animal “Compro ração, passo aqui e brinco com ela, não tem como não dar atenção e afeto a um bicho desses, ela é muito carinhosa”, comenta.

A proprietária do local, Giandra Nunes, de 30 anos, diz que no começo achou estranho, e os clientes mesmo ficavam curiosos com a presença do cão no local, mas hoje é motivo de cuidado e amor. “Todo mundo conhece ela, e aqui é a casa dela, e ela cuida com unhas e dentes”, comenta.

Nos siga no Google Notícias