ACOMPANHE-NOS    
FEVEREIRO, SÁBADO  27    CAMPO GRANDE 23º

Consumo

Rodrigo transformou loja de roupa no Camelódromo em marca "estourada"

Após seis anos no Camelódromo, onde começou, Rodrigo se muda para uma loja no Centro e sonha em alçar voos maiores

Por Lucas Mamédio | 03/01/2021 07:32
Rodrigo em frente a nova loja da marca (Foto: Arquivo Pessoal)
Rodrigo em frente a nova loja da marca (Foto: Arquivo Pessoal)

Uma ideia despretensiosa virou o negócio da vida de Rodrigo Ibarra. O hoje empresário, e transformou uma loja de roupas no camelódromo onde era empregado em uma marca street wear que caiu no gosto da galera em Campo Grande: a Ganguerage.

Rodrigo acaba de se mudar para uma loja maior. Ele saiu do Camelódromo, o lugar onde sua marca cresceu, após seis anos. Ele conta que tudo começou com uma viagem a São Paulo.

Box da Ganguerage no primeiro ano no Camelódromo (Foto: Arquivo Pessoal)
Box da Ganguerage no primeiro ano no Camelódromo (Foto: Arquivo Pessoal)

"A ideia surgiu quando fui pra São Paulo com minha esposa que foi comprar mercadoria pra loja dela, que era de capinha de celular. Sempre quis ir lá pra conhecer novos estilos. Aí eu tive a ideia, mas não de eu montar sugeri para o meu cunhado, montar um box no camelódromo".

O cunhado embarcou da ideia e logo veio o nome "Ganguerage". "Aí ele perguntou como seria o nome da loja, eu disse: 'Ganguerage'. O nome veio de quando eu andava de skate, que estava com roupas mais largas diziam que você estava 'ganguero'", explica.

Logo o cunhado se desencantou com a loja e por um acordo, Rodrigo ficou com a mercadoria. "Até então era só o nome da loja, e aí uma vez eu mandei fazer uns bonés com a estampa 'Ganguerage' e vendeu muito rápido, daí comecei a produzir mais peças, procurando designer e a galera foi gostando. Hoje em dia estamos com umas mais de 20 artes".

A marca hoje importa produtos e exporta também. "As camisetas são produzidas aqui mesmo. As bermudas em São Paulo e os bonés no Paraná".

Algumas das roupas vendidas pela Ganguerage (Foto: Arquivo Pessoal)
Algumas das roupas vendidas pela Ganguerage (Foto: Arquivo Pessoal)

Agora em novo espaço, na Avenida Ernesto Geiseil, Rodrigo conta que tem muito orgulho de sua história no Camelodrómo e que se tiver que voltar, vai voltar de cabeça erguida.

"Não digo que seja um sonho, eu entrei de gaiato, mas eu faço uma coisa que eu amo. Eu já mais imaginava que eu teria uma marca, foi fluindo".

Para saber mais sobre a marca de Rodrigo, acesse operfil no Instagram.

Curta o Lado B no Facebook e no Instagram. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário