ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MARÇO, DOMINGO  03    CAMPO GRANDE 33º

Diversão

Acrissul tenta liminar para garantir shows no Parque Laucídio Coelho

Wendell Reis | 13/02/2012 17:22
Acrissul quer derrubar liminar que proíbe shows no Parque(Foto:João Garrigó)
Acrissul quer derrubar liminar que proíbe shows no Parque(Foto:João Garrigó)

O presidente da Acrissul (Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul), Francisco Maia, informou que a entidade entrou com um pedido de liminar nesta segunda-feira (13) contra a interdição do Parque de Exposições Laucídio Coelho. A liminar solicita a realização dos shows neste ano. Com o dinheiro arrecadado pela festa, a Acrissul promete cumprir as exigências feitas pelo MPE (Ministério Público Estadual0, que incluem isolamento acústico e rede de esgoto.

Francisco Maia alega que a Acrissul tomou todas as medidas para conseguir cumprir o TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) firmado com o MPE, entrando com o pedido de licença ambiental em agosto de 2011. Porém, não cumpriu a exigência de galeria pluvial e esgoto, já que o Parque tem fossas e banheiros químicos, o que agora foi aceito pela Prefeitura. Maia já chegou a declarar que a Acrissul precisaria de R$ 1 milhão para conseguir instalar a rede de esgoto.

A Acrissul solicita ainda um tempo maior para conseguir cumprir o TAC. Maia sustenta que a Prefeitura já se comprometeu a autorizar a feira, sem os shows. Assim, solicita a liberação do evento com a alegação de que a festa pertence à sociedade e não a Acrissul. Maia explica que um promotor não decide nada sozinho e perdeu a ação em 1º grau. Assim, recorreu ao TJMS, que interditou o Parque Laucídio coelho.

O TAC firmado entre a Acrissul e a Prefeitura de Campo Grande previa que após o dia 24 de abril, data do último evento musical programado para a Expogrande 2011, não fossem realizadas, na qualidade de patrocinadores ou apoiadores, shows, festas, eventos musicais em geral e rodeios no Parque de Exposições Laucídio Coelho, até que fossem obtidas todas as licenças ambientais exigidas legalmente.

No dia 17 de fevereiro de 2011 a Acrissul já tinha tentado derrubar a ação do MPE, mas os desembargadores da 5ª Turma Cível do Tribunal negaram o recurso movido pela entidade. A ação prevê multa de R$ 100 mil por evento caso a determinação seja desrespeitada. No final de janeiro o promotor Alexandre Raslan divulgou uma nota afirmando que o TAC homologado em 2011 continua valendo e que não existe possibilidade de apresentações musicais no local.

Nos siga no Google Notícias