A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 19 de Outubro de 2019

23/06/2019 09:11

Distrito a 49 km de Terenos tem cachoeira e paisagem para voltar no tempo

“Cachoeirão” já foi cenário de muita folia antes do trem de passageiros ser levado pelo tempo.

Thailla Torres
Cachoeirão é oportunidade para quem quer diversão a poucos quilômetros da Capital.  (Foto: Paulo Francis)Cachoeirão é oportunidade para quem quer diversão a poucos quilômetros da Capital. (Foto: Paulo Francis)

Resumido a um rio com pequenas cachoeiras e alguns balneários, Cachoeirão é um distrito quase 50 quilômetros à frente de Terenos, com residências históricas e chácaras para quem curte momentos de sossego.

A região, derivada de uma estação de trem que funcionou como ponto de parada de passageiros até 1996, ganhou fama nos “tempos de glória” dos trilhos por desembarcar até 300 pessoas a cada fim de semana.

“Isso daqui era lotado. O rio ficava cheio de visitantes que chegavam de trem”,o lembra o morador e dono do balneário “Chácara da Cachoeira”, Amadeu Corbeta, de 83 anos. Ele e a esposa moram por ali há 28 anos. Para Maria Conceição, de 52 anos, a calmaria de hoje é recompensa.

Espaço hoje anda vazio até no feriado.  (Foto: Paulo Francis)Espaço hoje anda vazio até no feriado. (Foto: Paulo Francis)
Mas já viveu tempos de glória quando o trem de passageiros passava na região.  (Foto: Paulo Francis)Mas já viveu tempos de glória quando o trem de passageiros passava na região. (Foto: Paulo Francis)

Foram muitos anos trabalhando na cozinha atendendo turistas e moradores que vinham da Capital curtir o fim de semana nas quedas do Rio Cachoeirão. “Às vezes era difícil, principalmente com os jovens, eles não têm limites”, conta, sobre o tempo que o Cachoeirão ganhou fama pela “muvuca” e som alto que hoje é expressamente proibido no local. “Agora temos um ambiente mais familiar, com algumas regras que tornam o balneário mais agradável”.

Eles dizem que nos últimos anos chegaram a escutar que o Cachoeirão “morreu”, mas se depender do amor de Amadeu e Maria, a beleza do lugar continuará viva no coração de muitas famílias. “Nós somos apaixonados por isso daqui. Aliás, foi aqui que nossa história de amor começou, quando eu tinha 24 e ele 55 anos”, conta.

Cheio de árvores, com jardins bem cuidados e uma cozinha que exala peixe ‘fritinho’ na hora, o lugar retrata uma palavra comum entre o casal: dedicação.

“Tudo o que nós fazemos aqui é com dedicação. Há quem diga que o Cachoeirão morreu só porque não tem mais o trem, mas a gente continua aqui firme, dando o nosso melhor”, reforça Maria.

 Maria e Amadeu comemoram história amor que começou por ali. (Foto: Paulo Francis) Maria e Amadeu comemoram história amor que começou por ali. (Foto: Paulo Francis)
Espaço ganhou novo status no últimos anos para receber a família. (Foto: Paulo Francis)Espaço ganhou novo status no últimos anos para receber a "família". (Foto: Paulo Francis)

O trem de passageiros que parava a 2 quilômetros dali foi levado pelo tempo. No trem, viajava moradores de Campo Grande a Aquidauana. “Mas a maioria parava por aqui aos fins de semana”.

Na estação desativada, bem ao lado, em um imóvel que pertence a União, vive o ex-maquinista Orlando Francisco de Oliveira, de 54 anos. O patrimônio é uma boa lembrança da profissão que durante anos levou muitos viajantes pelo Estado. “Eu lembro bem como era a movimentação. Foi a melhor parte das nossas vidas”, resume.

Hoje, única coisa que escuta é o trem de carga, que ainda treme a casa, mas não traz de volta o encanto que era ver o trem de passageiros. “Daquele jeito não tem igual”.

Antiga parada do trem é patrimônio da União. (Foto: Paulo Francis)Antiga parada do trem é patrimônio da União. (Foto: Paulo Francis)
Lugar recebia quase 300 passageiros no fim de semana. (Foto: Paulo Francis)Lugar recebia quase 300 passageiros no fim de semana. (Foto: Paulo Francis)
Portão de ferro antigo é o que ficou da estação. (Foto: Paulo Francis)Portão de ferro antigo é o que ficou da estação. (Foto: Paulo Francis)

Como chegar – Cachoeirão fica a 75 quilômetros de Campo Grande, seguindo pela BR-262, no sentido a Aquidauana. O acesso é pela margem direita da rodovia, a 49 quilômetros de Terenos.

Para curtir o dia no Rio Cachoeirão ou nos balneários próximos os valores do day use variam de R$ 20,00 a R$ 30,00. Há também opções de almoços, redários, espaço para fazer churrasco e até pesqueiro. No caso da propriedade de Amadeu e Maria, você pode pescar no tanque e levar o peixe para casa sem pagar nada.

Curta o Lado B no Facebook e Instagram.

Rio estava vazio no último feriado. (Foto: Paulo Francis)Rio estava vazio no último feriado. (Foto: Paulo Francis)
Quem decidiu curtir aproveitou para pescar.  (Foto: Paulo Francis)Quem decidiu curtir aproveitou para pescar. (Foto: Paulo Francis)
Trem de passageiros foi levado pelo tempo.  (Foto: Paulo Francis)Trem de passageiros foi levado pelo tempo. (Foto: Paulo Francis)
imagem transparente

Classificados


Copyright © 2019 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.