ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, SEGUNDA  08    CAMPO GRANDE 20º

Faz Bem!

Saiba o que é endometriose, doença que vai afastar Anitta dos palcos

Cantora anunciou que vai dar uma pausa para tratar da saúde, após anos de dores sem saber diagnóstico

Por Idaicy Solano | 08/07/2022 13:33
Desabafo publicado pela cantora em suyas redes sociais. (Foto: Reprodução/Twitter)
Desabafo publicado pela cantora em suyas redes sociais. (Foto: Reprodução/Twitter)

A cantora Anitta utilizou suas redes sociais na noite de quinta-feira (7) para desabafar sobre diagnóstico tardio de endometriose. Agora, terá de ficar mais de um mês longe dos palcos por conta de cirurgia a qual será submetida. “Nove anos dessa novela e eu já tentei de tudo que todos os tipos de médicos já falaram. Nenhuma matéria, artigo, site, etc... cogita a cistite de repetição como um possível sintoma de endometriose”, expôs a cantora.

Mesmo sem data marcada, a estrela afirma que já está cuidando de todos os detalhes para realizar a cirurgia. Segundo relato, ela vem sofrendo com os sintomas há nove anos, e relembra uma entrevista em que chegou a dizer que “sofria de uma cistite de lua de mel terrível”. “A dor é tão ruim que você quer fazer de tudo pra que isso passe. Então obviamente nesses meus 9 anos de luta eu passei foi por gente me dizendo as mesmas coisas... e nada de resolver”, desabafou.

O diagnóstico certo veio após a cantora acompanhar o pai em uma consulta médica, onde após se queixar de dor, foi submetida a uma ressonância. A cantora explica que no dia seguinte foi encaminhada para uma especialista para iniciar o tratamento.

Em seu desabafo, a cantora ainda alerta para a falta de informação a respeito da doença e pede para que as mulheres busquem pelo diagnóstico. “Pesquisem artigos sérios no Google (ainda é um assunto :meio" novo então não tem tannnnnnta informação) mas um médico especialista nisso vai conseguir te ajudar. Enquanto isso tô aqui contando os dias pra minha cirurgia. Dizem que é bem simples”, escreveu.

Imagem mostra locais de lesões provocadas pela doença.
Imagem mostra locais de lesões provocadas pela doença.

Médica ginecologia e obstetrícia, Tamires Richards de Andrade, explica que a doença acontece quando as células do endométrio se encontram fora da cavidade uterina. Os principais sintoma são cólica forte, que tende a piorar com o tempo, e dores durante ou após relações sexuais. "Normalmente é uma dor muito intensa que pode persistir por algumas horas”, explica. A doença pode afetar os ovários e as trompas, o que pode prejudicar as chances de engravidar. Em quadros mais graves, pode causar infertilidade.

A médica aponta que o diagnóstico é mais mais frequente após os 30 anos, mas pode acontecer durante toda o período reprodutivo da mulher. “Cerca de 8% dos casos acontecem na adolescência", pontua. Ela explica que o primeiro passo para o diagnóstico, é prestar atenção aos sintomas, e entender que sentir dor extrema não é normal.

Tamires explica que não existe uma prevenção primária para evitar a endometriose, e que todas as mulheres estão sujeitas a desenvolver o problema. Segundo a médica, a intervenção é feita por videolaparoscopia, procedimento cirúrgico que faz a retirada de todos os focos da doença da cavidade abdominal.

Outra forma de controle dos sintomas é por meio de tratamento hormonal, onde é realizado um bloqueio dos ciclos menstruais para evitar que apareçam novas lesões, ou evitar que se espalhem.

“Hábitos saudáveis, práticas de atividades físicas estão relacionados à melhora do quadro. Uma dieta anti inflamatória, que evite alimentos industrializados,  ultraprocessados, escolha por frutas, verduras e alimentos frescos, tudo isso ajuda”, explica.

Mas o acompahamento é para todas a vida. “Não tem cura, mas tem controle, e precisa manter o acompanhamento e manter os bons hábitos”, finaliza.

Nos siga no Google Notícias