ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, QUARTA  17    CAMPO GRANDE 23º

Sabor

Merenda de escola pública é tudo igual? Concurso mostra que não

1º Desafio Estadual das Merendeiras contou com a participação de 20 profissionais do interior do Estado

Por Jéssica Fernandes | 24/06/2022 13:23
Mousseline de cabotiã com arroz, brocólis e salada colorida. (Foto: Marcos Maluf)
Mousseline de cabotiã com arroz, brocólis e salada colorida. (Foto: Marcos Maluf)

Pratos coloridos, saudáveis e com apresentação digna de restaurante cinco estrelas, elaborado por 20 diferentes cozinheiros, que atuam em escolas do interior de Mato Grosso do Sul. As refeições estão na etapa final do 1º Desafio Estadual das Merendeiras. A avaliação dos pratos ocorreu na manhã desta sexta-feira (24), em Campo Grande, porém o vencedor será anunciado às 19h nas redes sociais.

O desafio é realizado pelo Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), por meio do programa Cidade Empreendedora. A disputa visa valorizar os profissionais, incentivar o uso de produtos da agricultura familiar, além de fazer com que os alunos passem a consumir refeições mais nutritivas. Para definir os participantes, pré-seleções e capacitações foram feitas entre os profissionais de cada município desde fevereiro.

As merendeiras tiveram duas horas para cozinhar e precisaram seguir alguns requisitos, como criatividade na criação dos pratos, valorização e equilíbrio dos sabores; originalidade da estética e praticidade na utilização dele na alimentação escolar. Em seguida, os participantes apresentaram as criações para a banca avaliadora composta por nutricionistas e chefes de cozinha.

Na cozinha, participantes do desafio preparam o menu para avaliação. (Foto: Marcos Maluf)
Na cozinha, participantes do desafio preparam o menu para avaliação. (Foto: Marcos Maluf)

O diretor presidente do Sebrae, Tito Estanqueiro, fala que os profissionais da área sempre tiveram um papel importante na vida dos estudantes. “Além de envolver as escolas, conseguimos valorizar e resgatar a importância das merendeiras no contexto onde elas conseguiam cada vez mais oferecer uma alimentação saudável. Então esse foi um grande projeto desenvolvido em prol de Mato Grosso do Sul”, explica.

Apesar das diferenças na composição e apresentação de cada prato, o ponto em comum entre todos foi o emprego de pelo menos três ingredientes produzidos pela agricultura familiar, pois a quantidade mínima também integrava os critérios de pontuação. Hoje algumas das comidas preparadas foram: Lasanha de panqueca nutritiva e salada tropical; lasanha de mandioca com carne de panela e legumes; espaguete nutritivo com legumes e carne; salada de legumes com frango e rondelli de abobrinha verde ao molho branco.

Os participantes - Dos 20 integrantes, somente dois eram homens, sendo um deles Ivan de Oliveira, de 37 anos. Apesar de ter começado a cozinhar aos 12 anos, quando ajudava a mãe com os temperos de feijão, ele se tornou merendeiro de uma escola em Rio Verde de MT somente há cinco meses.

Ivan de Oliveira foi selecionado para representar Rio Verde de MT. (Foto: Marcos Maluf)
Ivan de Oliveira foi selecionado para representar Rio Verde de MT. (Foto: Marcos Maluf)

O profissional fala que na adolescência criou interessa pela área e buscou trabalhar em diversos locais com a intenção de aprender tudo sobre gastronomia. "A paixão pela cozinha começou cedo e segui. Eu me envolvi em todas as áreas da culinária, comecei como padeiro, fui para a pizzaria, confeitaria, evoluindo até chegar na cozinha industrial e caipira", conta.

Para ele, o afeto das crianças é a melhor parte da atual profissão. "Tô amando, porque nunca tinha trabalhado em escola. Tô gostando muito, porque eles transmitem um carinho muito grande pra gente e a gente fica com mais garra para produzir. Então, estou muito feliz", enfatiza. Com um prato bastante colorido, Ivan fez um mousseline de cabotiã, arroz com brócolis, cenoura e salada colorida.

Ivanilda Nelson Moreira, de 36 anos, é quem faz as refeições na escola Guarani Kaiowá, localizada em Amambaí. Para agradar os jurados, ela apostou num prato típico da cultura, a sopinha de mandioca refogada com frango. Na hora de apresentar a sopa, ela agradeceu a Deus pela oportunidade e garantiu que decorou o prato "com muito amor e carinho".

Durante apresentação, Ivanilda agradeceu a oportunidade de participar. (Foto: Marcos Maluf)
Durante apresentação, Ivanilda agradeceu a oportunidade de participar. (Foto: Marcos Maluf)

Ao Lado B, Ivanilda falou o motivo de ter escolhido essa refeição e que o amor é indispensável no preparo dela. "Esse prato representa minha cultura, aprendi a fazer com minha mãe. Eu amo cozinhar, a gente não pode fazer as coisas sem amar, tem que colocar o coração", frisa.

Merendeira em Maracaju, Adrielle Fonseca, de 37 anos, preparou um purê de mandioca com carne de panela e legumes. Há 15 anos, ela começou a trabalhar na área, porém não sabia fazer nada. Hoje, ela dá risada ao lembrar do inicio complicado. "Eu fui como ajudante de cozinha só para cortar a salada e lavar a louça. Com dois dias, a cozinheira faltou e a diretora pediu para eu fazer, falei: 'Eu não sei'. Então comecei do zero e fui me aperfeiçoando", recorda.

Por essa razão, ela acredita que foi a profissão que a escolheu e não o contrário. Emocionada, Adrielle fala que é um honra representar a categoria e o município. "É uma responsabilidade muito grande, porque é um reconhecimento do nosso trabalho. Eu falo que a profissão que me escolheu e dentro disso fui escolhida para estar aqui", afirma.

Mexendo as panelas, Adriele cozinhou purê de mandioca com carne. (Foto: Marcos Maluf)
Mexendo as panelas, Adriele cozinhou purê de mandioca com carne. (Foto: Marcos Maluf)

Grandes cozinheiras - Entre os chefes convidados estava Arthur Coelho que tem 28 anos de história na profissão. O jurado comenta como as merendeiras exercem um papel que marca a vida das pessoas. “As merendeiras constroem o paladar da criança e ainda imprimem uma memória gustativa e afetiva pro resto da vida. Está sendo super bacana participar disso, porque essas são as grandes cozinheiras da vida da gente”, aponta.

Outro convidado foi o vencedor da edição de 2018 do reality Masterchef, Rafael Gomes. Após experimentar os pratos, ele relata que conseguiu recordar momentos especiais. “Elas estão conseguindo fazer bem pratos que lembram muito a minha infância, lembram muito o sítio da minha vó e aquela comidinha que é gostosa”, ressalta.

Outro aspecto positivo, segundo ele, é o carinho demonstrado pelas profissionais. "Você vê as meninas falando das crianças como se fossem filhos. A cozinha afetiva é muito mais isso, é mais o amor que elas colocam do que toda a técnica necessária. Então são pratos gostosos e não só elaborados", conclui.

Vencedor do Masterchef 2018, Rafael integrou banca de avaliação. (Foto: Marcos Maluf)
Vencedor do Masterchef 2018, Rafael integrou banca de avaliação. (Foto: Marcos Maluf)

O vencedor, assim como o segundo e terceiro colocados, serão revelados somente no evento das 19h. Esse evento será realizado no Sebrae e as pessoas podem acompanhar tudo pelo Youtube da instituição.

Acompanhe o Lado B no Instagram @ladobcgoficial, Facebook e Twitter. Tem pauta para sugerir? Mande nas redes sociais ou no Direto das Ruas através do WhatsApp (67) 99669-9563 (chame aqui).

Confira a galeria de imagens:

  • Campo Grande News
  • Campo Grande News
  • Campo Grande News
  • Campo Grande News
  • Campo Grande News
Nos siga no Google Notícias