A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 18 de Abril de 2019

19/11/2018 14:28

Água barrenta que atingiu Rio da Prata saiu de fazenda que cultiva soja

Área é arrendada e a cultura está em fase inicial, segundo a Polícia Militar Ambiental

Mayara Bueno
Imagem aérea do Rio da Prata, então cristalino, após a última chuva na região. (Foto: Divulgação)Imagem aérea do Rio da Prata, então cristalino, após a última chuva na região. (Foto: Divulgação)

A PMA/MS (Polícia Militar Ambiental de Mato Grosso do Sul) afirma que identificou a fazenda de onde saiu a água com barro que atingiu o Rio da Prata, em Jardim. Na área, localizada a 2 km da região afetada, há plantio de soja.

Na sexta-feira (dia 16), uma chuva forte foi registrada na cidade. O Prata, rio que corta o balneário daquela cidade, mudou o tom cristalino para uma água completamente cheia de barro. Além de espantar turistas, o principal problema é o prejuízo ao meio ambiente.

Segundo nota da corporação, os policiais vistoriaram fazendas da região desde sábado (dia 17) para identificar o que teria causado a turbidez nas águas do Rio da Prata. A busca partiu do ponto de afluência da mudança da coloração da água.

A identificação também passou pelo uso de drone, para registro de imagens aéreas. A conclusão que se chegou, segundo a PMA, foi de “possibilidade do sedimento ter saído de uma fazenda de plantio de soja, com terreno gradeado e a cultura em estágio inicial”.

Foi verificado que a chuva intensa causou enxurrada, encheu uma represa construída para contenção da água de escoamento, “a qual não suporta a totalidade de água, que teria sido carreada com sedimento ao Rio da Prata”.

Ainda de acordo com a Polícia Militar Ambiental, a fazenda é arrendada e tem atividade agrícola licenciada pelo órgão ambiental. A partir da constatação da fiscalização, um relatório será encaminhado ao Imasul, para avaliação de possível descumprimento das condições do licenciamento.

Se for constatada irregularidade, quem está com a terra arrendada poderá ser multado. Uma ação no Ministério Público também deve entrar com uma ação civil pública para reparação de danos.

Grave

O secretário da Semagro (Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familia), Jaime Verruck, disse que a situação no Rio da Prata é grave e medidas emergenciais já estão previstas naquela região. 

“Estamos acompanhando os fatos, já tivemos essa situação no município de Bonito. Primeiro é a questão do volume de chuvas, nós já fizemos várias reuniões com o trade turístico e com os sindicatos rurais. Reconhecemos a gravidade da situação. Tem que haver uma situação de política pública, mesmo quando chove pouco”, comentou mais cedo o titular.

Propriedade que fica próxima ao Rio da Prata. (Foto: Divulgação)Propriedade que fica próxima ao Rio da Prata. (Foto: Divulgação)
Área em meio à vegetação após chuva. (Foto: Divulgação).Área em meio à vegetação após chuva. (Foto: Divulgação).


E é por essas e outras que idiotas tem que parar que querer juntar ministérios....
 
Juliiano oliveira conceicao em 19/11/2018 15:53:07
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions