ACOMPANHE-NOS    
NOVEMBRO, SEXTA  26    CAMPO GRANDE 27º

Meio Ambiente

Peixes agonizam na lama de baía seca na Serra do Amolar

No ano passado, o local foi um dos mais atingidos pelas queimadas que devastaram quase 30% do bioma pantaneiro

Por Lucia Morel | 19/10/2021 14:48


Mortandade de peixes com a seca que afeta o Pantanal, mesmo sem incêndios generalizados como no ano passado, choca quem vê. Cinegrafista e biólogo, Luiz Felipe Mendez fez imagens que fazem doer o coração. Peixes agonizando na lama na baía da reserva Eliezer Batista, na Serra do Amolar.

No ano passado, o local foi dos mais atingidos pelas queimadas e apesar do entorno ter vegetação em recuperação, a vida animal não se recupera da mesma forma, nem na mesma velocidade, já que o ritmo da fauna é bem diferente da flora.

Estima-se que pelo menos 17 milhões de animais vertebrados tenham morrido com o fogo em 2020, segundo levantamento da Embrapa Pantanal com apoio da WWF-Brasil. O número deve ser bem maior ao levar-se em conta o que a seca está fazendo este ano.

Ao fundo, baía da RPPN cheia de água. (Foto: Luiz Felipe Mendez)
Ao fundo, baía da RPPN cheia de água. (Foto: Luiz Felipe Mendez)

“Eu estive lá em 2018 e fiz fotos das baías cheias e agora, está vazia. Pra quem conhece o Pantanal pleno, é impactante ver a vida perdida, a água, o quanto diminuiu e muitas carcaças de bichos, jacarés, é chocante”, lamentou o biólogo.

As imagens são em baía da RPPN (Reserva Particular do Patrimônio Natural) Eliezer Batista, na Serra do Amolar, espaço que é gerido e cuidado pelo IHP (Instituto Homem Pantaneiro).

Ele prestava serviço a uma TV franco-alemã, que realiza documentário sobre mudanças climáticas, a Arte.TV e pôde ver de perto os problemas. “Com as mudanças, a seca se torna cada vez mais comum e irreversível. A seca avança e vira uma bola de neve. A vegetação se recupera de uma certa forma, mas os animais, os peixes, não. É um dano incalculável”.

Baía da RPPN seca. (Foto: Reprodução vídeo)
Baía da RPPN seca. (Foto: Reprodução vídeo)

O biólogo, inclusive, enviou imagens do antes, que mostram o mesmo local cheio de água e vegetação viva.

Nos dias em que fez as imagens, em 24 de setembro, ele conta que o Pantanal enfrentava cerca de 70 dias sem chuvas e temperaturas muito altas, em torno de 40ºC, mas “o solo ficava em cerca de 60ºC a 70ºC. É muito quente e seca ainda mais a água”, afirma.

Sobre as mortes de 17 milhões de animais, a estimativa foi feita por um grupo de 30 cientistas de diferentes instituições, em um estudo inédito coordenado pelo pesquisador Walfrido Moraes Tomas, da Embrapa Pantanal.

Nos siga no Google Notícias

Veja Também

Regras de comentário