ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, QUARTA  17    CAMPO GRANDE 23º

Meio Ambiente

PMA deflagra 2ª fase da Operação Pesca Legal contra pesca predatória

Na primeira fase, mais de 200 pescadores foram abordados, quatro deles autuados por pesca ilegal

Por Mirian Machado | 27/06/2022 14:07
Helicóptero é utilizado em 2ª fase da operação deflagrada nesta segunda-feira. (Divulgação/PMA)
Helicóptero é utilizado em 2ª fase da operação deflagrada nesta segunda-feira. (Divulgação/PMA)

A Polícia Militar Ambiental de Coxim, Campo Grande, Corumbá e Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul) deflagraram hoje (27) a 2ª fase da operação Pesca Legal para prevenção e repressão à pesca predatória no em MS até o fim do mês de setembro.

A operação cobrirá a fiscalização dos rios Paraguai e seus afluentes, com Taquari, Coxim, Miranda, Aquidauana, com foco principal na região conhecida como Caronal, no Pantanal, onde está sendo utilizado um helicóptero. Em virtude da facilidade de avisos via celular aos pescadores sobre a fiscalização nos rios, equipes também desenvolverão fiscalização em estradas de acesso aos cursos d’água.

São 10 subunidades, 102 Policiais e até helicóptero participam da operação, que é dividida pelas 6 Companhias do Batalhão e as 27 subunidades. Cada uma das companhias desenvolverá operações de 72 horas, pelo menos duas ao mês, com datas definidas por cada Comandante, conforme os levantamentos realizados pelo Serviço de Inteligência, que podem ser conjuntas.

Na primeira operação, 123 embarcações de pesca profissional e amadora foram fiscalizadas, além de 232 pescadores abordados e quatro pessoas autuadas por pesca ilegal em aproximadamente 350 km de rios.

Vista ampliada de regiões com ajuda de helicóptero. (Divulgação/PMA)
Vista ampliada de regiões com ajuda de helicóptero. (Divulgação/PMA)

Uma das maiores preocupações da Polícia Militar Ambiental relativamente à pesca predatória e que será combatido durante a Operação Pesca Legal, é o uso de petrechos com grande poder de depredação de cardumes como as redes de pesca, anzóis de galho e espinheis. Dessa forma, a fiscalização nos rios serve para evitar que pescadores pratiquem pesca ilegalmente, pela presença das equipes e que armem os petrechos ilegais, ou pelo menos, fazer a retirada desse material sem que tenham prejudicado os cardumes.

Os drones que estão sendo utilizados na fiscalização da PMA e têm funcionado como uma importante ferramenta nos trabalhos preventivos também serão utilizados nas operações. Com os aparelhos, os infratores têm ficado com receio de serem identificados pelas imagens, bem como os drones permitem que os Policiais possam fiscalizar grandes áreas de rios, ou terrestres, sem serem percebidos, o que dificulta ainda os avisos via celular aos infratores, que são comuns quando as equipes estão nos rios, ou a campo.

Nos siga no Google Notícias