ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, QUINTA  24    CAMPO GRANDE 31º

Política

"Se não tenho culpa no cartório, resolvi prestar esclarecimentos", diz deputado

Zé Teixeira (DEM) prestou depoimento na última sessão da CPI da JBS e enfatizou que foi ao local "como produtor rural"

Por Izabela Sanchez e Richelieu de Carlo | 27/09/2017 18:03
Zé Teixeira (DEM) prestou depoimento na última sessão da CPI (Wagner Guimarães/Alms)
Zé Teixeira (DEM) prestou depoimento na última sessão da CPI (Wagner Guimarães/Alms)

Enfatizando que compareceu como "produtor rural" e não como deputado estadual, Zé Teixeira (DEM) prestou depoimento na última sessão da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) que investigou a atuação do grupo JBS em Mato Grosso do Sul. A CPI durou 74 dias e direcionou os trabalhos à analise de documentos, já que teve acesso à 101 mil notas fiscais, mas selecionou para depor apenas 4 pessoas.

Todos os nomes, incluindo Teixeira, não tinham obrigação de prestar esclarecimentos durante a sessão, e poderiam apenas enviar documentos. Foi a escolha de outros dois nomes que seriam ouvidos nesta tarde: o ex-prefeito de Porto Murtinho e atual assessor político da Secretaria de Governo, Nelson Cintra e o produtor rural Zelito Ribeiro.

Citado pelos irmãos Batista durante a delação da JBS à Procuradoria da República, Teixeira levou documentos que alegou serem fruto das transações que realizou junto à empresa, entre eles notas fiscais. O parlamentar apresentou documentação sobre a venda de gado para a corporativa entre os anos de 2014 e 2017.

Além das notas, apresentou atestado de vacina do gado e comprovante do pagamento do Fundersul (Fundo de Desenvolvimento do Sistema Rodoviário do Estado de Mato Grosso do Sul), referente à venda de 5.022 cabeças de gado, conforme explicou, no valor de R$ 11,5 milhões de reais.

"Se não tenho culpa no cartório, resolvi prestar esclarecimentos", declarou, durante a oitiva. O deputado também apresentou extrato de uma conta corrente com valores depositados pela JBS, segundo alegou, além da declaração de imposto. "A documentação está aí, não tenho muito o que explicar. Eles [Joesley e Wesley] que estão acusando é que tem que dar explicações", afirmou.

Ao ser questionado pelo deputado Paulo Siufi (PMDB) sobre atos ilícitos junto aos irmãos da JBS, Teixeira negou e disse nunca ter se encontrado com os dois. "Nunca conversei com eles, nunca vi na vida. Tenho relações com a JBS desde que ela abriu o primeiro escritório em Mato Grosso do Sul", respondeu.

"Por que, então, você foi citado?", questionou o deputado Pedro Kemp (PT). "Você teria que perguntar para eles", emendou Teixeira.

Encaminhamentos - A CPI, agora, deve encaminhar o relatório final para ser votado pelos deputados. Relator da Comissão, Flávio Kayatt (PSDB) afirmou que o documento será lido na Assembléia no dia 28 de outubro.