A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

16/09/2015 17:05

Advogado de João Amorim quer ter acesso a todas as provas da Operação

Paulo Yafusso
Um dos alvos da Operação Lama Asfáltica, João Amorim deixa a sede da PF, no final da tarde do dia 9 de julho, data da Operação (Foto: Marcos Ermínio)Um dos alvos da Operação Lama Asfáltica, João Amorim deixa a sede da PF, no final da tarde do dia 9 de julho, data da Operação (Foto: Marcos Ermínio)

O advogado Benedicto Arthur de Figueiredo Neto, que defende o empreiteiro João Amorim nas investigação da Operação Lama Asfáltica e Coffee Break, disse que o cliente está a disposição para prestar informações tanto na fase do inquérito policial como na esfera judicial, “desde que tenha acesso irrestrito a todas as provas que já foram produzidas pela acusação”.

Ainda de acordo com o advogado, João Amorim irá prestar depoimento “no momento oportuno e quando a defesa tiver acesso irrestrito a toda documentação”. Assim como a Polícia Federal, Benedicto Arthur de Figueiredo Neto não faz nenhum comentário sobre o depoimento prestado há pouco mais de uma semana à PF. O Campo Grande News apurou que pelo menos Amorim e o dono da Egelte, Egídio Comin, já foram ouvidos pelos delegados que coordenam as investigações do Lama Asfáltica. Comin estaria viajando e o advogado dele ficou de retornar as ligações desde a terça-feira, o que não foi feito.

Força Tarefa – Tanto João Amorim como Egidio Comin também foram ouvidos pelo MPE (Ministério Público Estadual), só que em momentos diferentes e por equipes distintas. O dono da Egelte foi o primeiro. No dia 12 de agosto, sob sigilo, ele prestou depoimento à Força Tarefa criada pelo MPE para investigar no âmbito estadual a Operação Lama Asfáltica. O empresário chegou por volta das 14h e só deixou a sede do Ministério Público pouco antes das 17h, acompanhado de advogados.

João Amorim foi um dos 13 que no dia 25 de agosto, foram conduzidos coercitivamente para depor no Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado) na Operação Coffee Break. Acompanhado do advogado Benedicto de Figueiredo Neto, Amorim deixou a sede do Gaeco no início da noite, sem falar com a imprensa.

Nas investigações feita pelo MPE, a Força Tarefa, formada por 8 promotores de justiça, apura o uso de recursos estaduais nas obras investigadas pela Operação Lama Asfáltica. É que na maioria dos projetos, há destinação de verbas e federais (as contrapartidas), e o que se verifica se também houve desvio de recursos na execução desses serviços. Já o Gaeco investiga o envolvimento de alguns alvos do Lama Asfáltica em esquema de compra de vereadores para a cassação do prefeito Alcides Bernal, ocorrido em março do ano passado.

Temer diz que adiamento da reforma da Previdência foi 'ótimo' para ganhar votos
O presidente Michel Temer procurou mostrar otimismo ao falar sobre a reforma da Previdência ao dar posse ao deputado federal Carlos Marun (PMDB-MS) c...
Diretor da PF entrega ao STF relatório de investigação sobre ministros
O diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segóvia, entregou hoje (15) à ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), um re...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions