A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

09/07/2015 09:33

Esquema de empreiteiras deu prejuízo de R$ 11 mi aos cofres públicos, diz PF

Aline dos Santos
Operação  Lama Asfáltica cumpre 19 mandados de busca e apreensão. Um deles foi em galeria na rua Arthur Jorge. (Foto: Marcos Ermínio)Operação Lama Asfáltica cumpre 19 mandados de busca e apreensão. Um deles foi em galeria na rua Arthur Jorge. (Foto: Marcos Ermínio)

O esquema de empreiteiras alvo da operação “Lama Asfáltica”, realizada hoje pela PF (Polícia Federal) em Campo Grande, deu prejuízo de ao menos R$ 11 milhões dos cofres públicos. De acordo com a PF, foram fiscalizados contratos de R$ 45 milhões. Ainda conforme a polícia, a organização criminosa era “especializada em desviar recursos públicos, inclusive federais”.

A operação cercou a mansão do ex-secretário estadual de Obras, Edson Giroto, atual assessor especial do Ministério dos Transportes. Os policiais também foram à empresa Proteco Construtora Ltda, à residência do empresário João Alberto Krampe Amorim (proprietário da Proteco) e à Seinfra (Secretaria Estadual de Infraestrutura).

Quatro servidores concursados foram afastados por determinação da 5ª Vara da Justiça Federal de Campo Grande. A secretaria é responsável pela execução de obras do governo. São cumpridos 19 mandados de busca e apreensão.

Iniciadas em 2013, as investigações apontaram para a existência de um grupo que, por meio de empresas em nome próprio e de terceiros, superfaturam obras contratadas com a Administração Pública. O esquema de fraudes a licitações cooptava servidores públicos . De acordo com a PF, foram identificadas vultosas doações de campanhas à candidatura de um dos principais envolvidos.

O grupo é acusado de cometer sete crimes: sonegação fiscal, formação de quadrilha, falsidade ideológica, lavagem de dinheiro, corrupção ativa, corrupção passiva e fraudes em licitação.

Cerca de 80 policiais federais, 13 servidores da CGU (Controladoria-Geral da União) e 25 da Receita Federal participam da execução “Lama Asfáltica”. O nome da operação faz referência ao insumo usado nas obras identificadas, como pavimentação e ações de tapa-buracos.

A reportagem tentou contato com o empresário João Alberto Krampe Amorim, mas ele não atendeu a ligação. Edson Giroto também não atendeu.



Será que esta reportagem será usada pra lavar dinheiro?. Sim porque só para quem não
sabe fazer conta. Onze milhões ? O que é onze milhões. Esta turma a qual se refere este episódio manda no estado há 16 anos. Onze milhões é troco. Ou ninguem sabe quanto custa uma ha de terra. Bota bilhãozinho ai. Ôh loko!!!
 
Martins em 09/07/2015 13:47:20
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions