A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Agosto de 2017

05/02/2015 16:54

Além de prestígio, disputados cargos federais pagam salário de até R$ 29 mil

Além de altos salários, cargos mostram força política de quem está no comando

Juliene Katayama
Além de prestígio, disputados cargos federais pagam salário de até R$ 29 mil

Os partidos começam a disputar os cargos federais em Mato Grosso do Sul. A briga não é à toa. Além do salário que pode chegar chegar a R$ 29 mil, a indicação mostra a força política da sigla para com governo federal.

O maior salário é do superintendente do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) que hoje recebe R$ 29.365,78 – era maior que o governador, R$ 26,5 mil antes do reajuste. Cabe à superintendências regional coordenar e executar, atividades relacionadas a planejamento, programação, orçamento, informática e modernização administrativa. Também devem garantir a manutenção, fidedignidade, atualização e disseminação de dados do cadastro de imóveis rurais e sistemas de informações do Incra.

O segundo maior cargo é do superintendente da Polícia Federal, R$ 24.396,52, seguido pela reitora da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) cuja remuneração é de R$ 23.419,23 – embora a escolha se dê por eleição e não nomeação a partir de uma lista tríplice com os três mais votados. Depois é a vez do superintendente do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte) com salário de R$ 22.133,26.

Estar a frente do Dnit significa administrar um orçamento milionário da União, sob a jurisdição do Ministério dos Transportes, das vias navegáveis, ferrovias e rodovias federais, instalações de vias de transbordo e de interface intermodal e instalações portuárias fluviais e lacustres.

Ao todo, são cerca de 40 cargos federais no Estado. Nesta lista de altos salários ainda estão: Reitor do IFMS (Instituto Federal ) - R$ 18.106,20 -; superintendente da Funasa – R$ 17.908,19 -; superintendente do Ministério da Agricultura, Pescaria e Abastecimento – R$ 17.518,13 -; superintendente da PRF (Polícia Rodoviária Federal) – R$ 14.335,63 -; superintendente do Ibama – R$ 11.577,49. Todos os valores da matéria foram baseados no Portal da Transparência do governo federal.

O deputado federal Zeca do PT é um dos parlamentares que vai pedir substituição nos cargos federais. Na avaliação do parlamentar, alguns contemplados não “respeitaram” a presidente Dilma Rousseff (PT) e fizeram campanha eleitoral contra a petista. Além disso, no Estado fizeram campanha a favor do tucano Reinaldo Azambuja.

As definições ainda não foram tomadas. Mas num passado próximo, cargos como o titular do Dnit gerou grande expectativa com a saída de Marcelo Miranda por corrupção e acabou sendo nomeado um funcionário de carreira, o Carlos Antônio Marcos Pascoal. Miranda tinha o apoio do PT.

Outra troca feita recentemente, foi no Ibama com a saída do deputado estadual Amarildo Cruz (PT) para assumir a cadeira na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul. No lugar do petista foi indicado o servidor de carreira, Márcio Ferreira Yule.

O PT também perdeu espaço com a saída de Pedro Teruel da Funasa. O petista deixou a pasta para tentar eleição para deputado estadual. Não conseguiu eleição. Desde então a fundação é comandada por Aristides José Ortiz.

PT admite dividir cargos federais no Estado com PMDB
Os mais de 40 cargos federais em Mato Grosso do Sul devem ser partilhados entre os aliados do governo federal, incluindo o PMDB, que é adversário do ...
Cargos federais têm a joia da coroa, mas também os "feios"
Guarda – A Guarda Municipal terá viatura e uniformes específicos para atuar na fiscalização do trânsito de Campo Grande. O uniforme será semelhante a...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions