ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUINTA  29    CAMPO GRANDE 23º

Política

Alterações na Câmara devem ocorrer após notificação do TRE, diz Mario

Kleber Clajus | 10/12/2013 12:34
Mario Cesar aguarda notificação formal e garante que votação de projetos não será prejudicada (Foto: Kleber Clajus)
Mario Cesar aguarda notificação formal e garante que votação de projetos não será prejudicada (Foto: Kleber Clajus)

O presidente da Câmara Municipal de Campo Grande, Mario Cesar (PMDB), garante que a alteração no quadro de vereadores deve ocorrer somente após notificação formal do TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral), órgão que compete apontar quem entra ou sai após a cassação do mandato dos vereadores Paulo Pedra (PDT), Delei Pinheiro (PSD) e da licenciada Thaís Helena (PT) acusados de compra de votos. Da decisão ainda cabe recurso.

“Do ponto de vista legal a Câmara ainda não foi notificada e o trabalho continua normalmente, até porque temos quórum para aprovar qualquer projeto. No caso dos vereadores cassados, caberá ao TRE enviar a lista com o recálculo do coeficiente eleitoral”, explica Mario.

Ainda pendente de julgamento, o caso de Alceu Bueno (PSL) pode ainda afetar a composição da Comissão Processante, mas o presidente da Casa de Leis assegura que, caso isso ocorra, será preciso apenas “novo sorteio de nome para integrar a vaga de membro dentro do critério das bancadas de 1 e 2 vereadores”.

Caso semelhante – Mario Cesar foi absolvido em “assunto similar” ao que resultou na cassação dos três vereadores ontem (9), por três votos a um, no TRE-MS.

O prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP), relembrou hoje o caso e o comparou a sua aliada e secretária de Assistência Social, Thaís Helena. “O Mario Cesar, que tinha sido cassado, foi absolvido. Ou cassa o Mario Cesar também”, disse Bernal.

Em sua defesa, Mario diz que “não tem nada haver associar uma coisa com a outra”, pois seriam casos diferentes. “Não havia denúncia contra mim e também não conheço o teor dos outros processos”, diz.

Tempo errado – O presidente da Casa de Leis também entende que as decisões da TRE ocorrem em “tempos errados” e deveriam ter sido realizadas “antes da aprovação da prestação de contas, diplomação e posse”.

Nos siga no Google Notícias