ACOMPANHE-NOS    
ABRIL, QUINTA  09    CAMPO GRANDE 29º

Política

Bancada de MS defende uso do fundo eleitoral no combate ao coronavírus

Parlamentares no entanto divergem sobre adiamento das eleições municipais em outubro deste ano

Por Leonardo Rocha | 23/03/2020 13:42
Teste para cadastro de candidatos na urna eletrônica (Foto: José Cruz - Agência Brasil)
Teste para cadastro de candidatos na urna eletrônica (Foto: José Cruz - Agência Brasil)

Os parlamentares da bancada federal de Mato Grosso do Sul ouvidos pelo Campo Grande News são favoráveis a usar os recursos do fundo eleitoral, estimado em R$2,03 bilhões, para o combate ao coronavírus. Entretanto quando se fala em adiar as eleições deste ano não existe um consenso, já que alguns ainda entendem que é “precoce” fazer esta avaliação.

A senadora Simone Tebet (MDB) declarou que vota a favor de utilizar a maior parte do recurso (fundo eleitoral) para enfrentar o novo vírus, deixando um “valor pequeno” para as eleições municipais, no entanto ponderou que é “prematuro” adiar o pleito neste momento. “Se não tiver condições em outubro, poderia ocorrer em novembro e dezembro”.

Também favorável a transferência de recursos do fundo, o deputado federal Fábio Trad (PSD) até sugere reduzir o salário de servidores de todos os poderes, que ganham mais de R$ 20 mil. “Temos que encontrar formas de ajudar neste momento”. Ele entende que “colocar eleição na rua” contraria as recomendações do Ministério da Saúde, que aposta no isolamento, para reduzir o contágio da doença.

“Pode se prorrogar para dezembro, mas sou contra unificar tudo em 2022”, pontuou o parlamentar. Para Beto Pereira (PSDB) os recursos tanto do fundo eleitoral, como dos gastos previstos pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) teriam que ir para o combate ao vírus e concorda que é preciso “repensar” o calendário eleitoral. “Poderíamos voltar a debater propostas já existentes de unificar as eleições, sem reeleição”, diz o tucano.

Rose Modesto (PSDB) ponderou que a eleição “não é prioridade” e que apoia o grupo a favor de enviar recursos do fundo contra doença. “O pleito (eleitoral) ficou secundário, nossa preocupação é com os hospitais que não tem estrutura para enfrentar esta pandemia”.

Loester Carlos (PSL) defende o adiamento da eleição, com unificação do pleito em 2022, assim como uso do fundo (eleitoral), além da proposta de reduzir em 50% o salário dos parlamentares. “Também haveria o corte dos gastos para realizar a eleição, que poderia ser revertido para o combate ao coronavírus”, adiantou.

Outras medidas – Dagoberto Nogueira (PDT) diz não ser contra usar o recurso do fundo, mas citou que o governo federal poderia tomar outras medidas. “O presidente (Jair) Bolsonaro destinou recursos do Banco Central a outros bancos, que seria mais que suficiente se fosse repassado para saúde”.

Já Luiz Ovando (PSL) é mais otimista, ao avaliar que a situação crítica da pandemia deve durar “apenas dois meses”, o que segundo sua avaliação não atrapalharia a eleição. “Sou a favor apenas de novos prazos para filiações”. Ele disse que também é favorável a utilização de recursos do fundo. “Até acho que não vai precisar, mas a prioridade é a vida”.

O assunto ganhou repercussão no cenário político, após declaração do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, que a eleição deste ano deveria ser adiada, devido o cenário de pandemia dentro do Brasil.

Entramos em contato com os demais integrantes da bancada, mas eles não atenderam as ligações até o fechamento da reportagem.