A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Agosto de 2017

06/06/2014 16:35

Candidatos a governador de MS só esperam vice para completar chapas

Josemil Arruda
Delcídio e Nelsinho querem vice da região de Dourados (Foto: arquivo)Delcídio e Nelsinho querem vice da região de Dourados (Foto: arquivo)

Praticamente definidas as vagas dos pré-candidatos a senador que integrarão as chapas dos candidatos a governadores dos principais partidos de Mato Grosso do Sul, os vices acabaram ficando para depois, embora as legendas donas das vagas já estejam certas. A tendência é que os nomes só sejam escolhidos nas vésperas do prazo final para a realização das convenções partidárias, nos últimos dias de junho.

Os dois maiores partidos do Estado, PMDB e PT, já têm candidato a senador, só faltando a homologação nas convenções partidárias. Na chapa encabeçada pelo ex-prefeito Nelsinho Trad, a vaga do Senado ficou para a vice-governadora Simone Tebet.

Quanto à chapa do PT, a solução também é caseira, com o médico Ricardo Ayache, ex-presidente da Cassems, definido como companheiro do senador Delcídio do Amaral. Se apresentando como “terceira via” nestas eleições, o pré-candidato a governador Reinaldo Azambuja (PSDB) convidou o empresário Antônio João Hugo Rodrigues, presidente regional do PSD, para disputar a vaga do Senado.

As vagas de vice-governador foram destinadas tanto por PMDB quanto PT a partidos aliados. O vice de Nelsinho Trad vai ser indicado pelo PSB, que é presidido pelo prefeito de Dourados, Murilo Zauith. Por outro lado, o vice de Delcídio sairá do PR, comandado pelo deputado estadual Londres Machado. O PSDB já ofereceu a vaga de vice para o vereador Herculano Borges (SDD), vaga que também é pretendida pelo PPS, o qual indicou a vereadora Luiza Ribeiro.

Nesta sexta-feira, o presidente estadual do PR, deputado Londres Machado, informou que seu partido, que só faz convenção no dia 27 de março, só deve escolher o vice de Delcídio quando o PT tiver completado o arco de alianças eleitorais. “Vice depende de muitas conversas com PT e outros partidos”, argumentou o parlamentar, que é um dos nomes cotados em seu partido para a vaga, assim como sua filha a vereadora Grazielle Machado.

Questionado se aceitaria o convite para ser candidato a vice-governador na chapa de Delcídio, Londres respondeu: “Não é questão de querer ser vice. É uma missão. Tem de ver se vai ser útil na coligação, se não vai atrapalhar”. Indagado, então, se sua filha é o nome mais forte do PR para ser a vice, disse que “o partido não tem essa avaliação ainda”, estando certo, por enquanto, apenas a decisão se fazer aliança com o PT. Delcídio quer um vice da região da Grande Dourados.

No PSB, partido que indicará o vice de Nelsinho e o segundo suplente da pré-candidata ao Senado, Simone Tebet, a definição dos nomes passará necessariamente pela indicação do seu presidente regional, Maurilo Zauith, que também é prefeito de Dourados. O peemedebista Nelsinho só fez a observação de que o vice deve ser da região de Dourados. Ontem, Murilo informou que ainda não tem nomes para as duas vagas reservadas aos socialistas.

Já o deputado federal Reinaldo Azambuja ainda tentará novas alianças e com isso outras opções de candidato a vice-governador na sua chapa podem surgir. Por enquanto a opção mais certa é Luiza Ribeiro (PPS), visto que Herculano Borges (SDD) disse que ainda precisará consultar a direção nacional de seu partido. A vereadora Rose Modesto (PSDB) também tem interesse na vaga de vice, mas os partidos em geral forma “chapa pura” apenas em último caso.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions