ACOMPANHE-NOS    
JANEIRO, SEXTA  21    CAMPO GRANDE 26º

Política

CNJ tem 7 votos para aposentadoria compulsória de ex-presidente do TRE-MS

Tânia Garcia de Freitas Borges é alvo de dois processos no órgão, por usar cargo em benefício do filho e do namorado

Por Marta Ferreira | 10/11/2020 19:33
O presidente do CNJ, Luiz Fux, comandou sessão nesta tarde. (Foto: Reprodução de vídeo)
O presidente do CNJ, Luiz Fux, comandou sessão nesta tarde. (Foto: Reprodução de vídeo)

O CNJ (Conselho Nacional de Justiça) tem sete votos favoráveis, de um total de 15 possíveis, para a aplicação de pena de aposentadoria compulsória à desembargadora afastada do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), Tânia Garcia de Freitas Borges, ex-presidente do TRE (Tribunal Regional Eleitoral). Personagem de escândalo depois de ir pessoalmente à prisão para tirar o filho preso por tráfico de drogas, a magistrada é alvo de duas investigações na Corte, abertas em 2018.

Na sessão desta terça-feira (10), comandada pelo presidente do CNJ, ministro Luiz Fux, o Conselho começou a julgar os processos administrativos disciplinares contra Tânia.

Com o resultado de um dos procedimentos, de sete votos favoráveis à aposentadoria compulsória, ainda não há sentença definitiva, mas há indicativo forte nesse sentido. Com apenas mais um voto, será alcançada a maioria simples por essa decisão.

Esse processo contra a ex-presidente do TRE (Tribunal Regional Eleitoral) é por ter usado o cargo em favor do filho, Breno Borges, e o outro por ter interferido em decisão do Tribunal que beneficiaria o tenente-coronel Ademir da Silva Cristaldo, acusado de integrar "Máfia do Cigarro", com quem a magistrada tinha relacionamento amoroso, conforme as apurações feitas.

Cheque de R$ 165 mil em nome de Tânia Garcia de Freitas Borges foi apreendido na investigação contra a “Máfia do Cigarro”. Ela afirmou na época se tratar de garantia ao tenente-coronel Admilson Cristaldo Barbosa para “segurar” a compra de veículo, mas a venda não se concretizou.

Para o Ministério Público, porém, o cheque é indicativo de negociata para venda de sentença em processo judicial, para conseguir a liberação de bois para venda.

Sobre esse caso, o relator do processo no CNJ, ministro Henrique de Almeida Ávila, defendeu a adoção da pena máxima possível para magistrados, a aposentadoria compulsória, concordando com o que pediu a procuradoria.

A leitura, acatada por seis colegas, é de que há provas mostrando que Tânia Garcia de Freitas agiu com desrespeito às leis que regem a magistratura, advogando em favor do namorado. O entendimento é de que ela deixou de atuar como devem os magistrados, com “conduta irrepreensível”.

Nas palavras usadas durante a sessão, o comportamento da desembargadora foi definido como capaz de abalar a confiabilidade da opinião pública ao Judiciário.

O pedido de vistas da ministra Cândice Lavocat Jovim suspendeu a votação. Para ela, as provas contra Tânia não estão tão claras assim e por isso pediu mais tempo para avaliar.

 

Tânia Garcia de Freitas está afastada das funções há dois anos. (Foto: Arquivo/Campo Grande News)
Tânia Garcia de Freitas está afastada das funções há dois anos. (Foto: Arquivo/Campo Grande News)

O outro caso - No processo envolvendo a atuação de Tânia em favor do filho preso com droga em abril de 2018, o pedido de vistas do ministro Luiz Fernando Keppen levou a decisão para sessão futura, quando havia três votos defendendo o arquivamento do procedimento.

Nesse episódio, a relatora Maria Tereza Uille Gomes, entendeu que deveria ser aplicaada a punição de censura  à desembargadora, mas como essa pena legalmente só é prevista para juízes de primeiro grau, decidiu recomendar o arquivamento do processo.

Não há data prevista para retomada dos julgamentos.

 “A defesa jamais desistirá do único resultado justo e adequado àquilo que realmente ocorreu, segundo a prova, no caso a absolvição ou pelo menos a permanência dessa querida desembargadora no seio da magistratura pantaneira”, afirmou André Borges, o advogado que foi responsável pelas audiências dos processos.

A defesa da desembargadora sempre argumentou que todas as ações dela foram dentro da legalidade. Essa argumentação foi feita hoje na sessão virtual do CNJ pelo advogado Rafael Araripe Carneiro.


Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário