A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

04/12/2017 18:08

Com liminar preservando mandato, vereador afirma que foi cassado injustamente

Edicarlos Lourenço nega ameaças a autor de denúncia por postagem no Facebook e lamenta repercussão do episódio

Humberto Marques

 

Tendo em mãos uma liminar que lhe garante, ao menos temporariamente, a preservação dos direitos políticos e do mandato de vereador de Porto Murtinho –a 431 km de Campo Grande–, Edicarlos Oliveira Lourenço nega que tenha feito ameaças contra um morador do município em outubro de 2014. A denúncia, processada dois anos depois, ameaça o retirar da Câmara Municipal.

Condenado em primeira instância em sentença de mérito que não permitiria novos recursos, Edicarlos foi acusado por Humberto Antônio Fleitas Torres, 31, de lhe fazer ameaças ao telefone caso não retirasse do ar postagens na rede social Facebook que seriam negativas para o vereador.

Além de afirmar que o denunciante foi um adversário político, Edicarlos nega o tom de ameaça. Segundo ele, as postagens, feitas em 25 de outubro de 2014, foram na verdade um pedido para que ele evitasse problemas jurídicos relativos a acusações de que ele teria atirado no ex-prefeito Marcos Rolon.

“Liguei e disse que a postagem estava errada, e ele desligou. Depois, liguei de novo dizendo que não houve tiro. Ele perguntou se eu estava o ameaçando, disse que era uma orientação, e alguém falou para ele desligar o telefone. Depois, ele fez queixa na polícia”, declarou Edicarlos em telefonema ao Campo Grande News.

Mesmo assim, ele acabou condenado em primeira instância e, depois, teria perdido prazos para apresentação de recurso –fato que foi contestado no Tribunal de Justiça e culminou na concessão da liminar do desembargador Paschoal Carmelo Leandro, na 1ª Câmara Criminal.

“Fui condenado injustamente. Nunca pensei que uma coisinha dessas ia trazer um transtorno tão grande. Repercutiu muito”, emendou o vereador. Edicarlos está em seu terceiro mandato de vereador, e salienta que a cassação por força da perda dos direitos políticos repercutiu negativamente em Porto Murtinho –que viveu períodos de instabilidade política recente.

Liminar do TJ devolve mandato e direitos políticos de vereador
  O desembargador Paschoal Carmelo Leandro, da 1ª Câmara Criminal do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), concedeu habeas corpus restitu...
Justiça manda cassar mandato de vereador condenado por ameaça
O vereador Edicarlos Oliveira Lourenço de Porto Murtinho, a 431 quilômetros de Campo Grande, teve o mandato cassado após ser condenado em um processo...
Comitê cadastra 400 indígenas para emissão de RGs em Porto Murtinho
O Ceesrad-MS (Comitê Gestor Estadual para Erradicação do Sub-registro Civil de Nascimento e Acesso à Documentação Básica) realiza até esta sexta-feir...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions