A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 21 de Agosto de 2017

20/12/2013 16:11

CPI "estranha” insistência em se alardear descontrole da oncologia

Josemil Arruda e Zana Zaidan
Vereadora Carla Stephanini lendo o relatório final da CPI da Saúde (Fotos: Kleber Clajus)Vereadora Carla Stephanini lendo o relatório final da CPI da Saúde (Fotos: Kleber Clajus)
Cópias dos relatório da CPI da Saúde: 150 páginas de investigaçõesCópias dos relatório da CPI da Saúde: 150 páginas de investigações

A relatora da CPI da Saúde, vereadora Carla Stephanini (PMDB), está lendo, neste momento, na Câmara de Campo Grande, o relatório final. São 150 páginas decorrentes de um trabalho investigativo que foi realizado de 20 de maio a 15 de outubro, período em que aconteceram 15 reuniões para depoimentos.

Sobre a fiscalização do setor de oncologia da Capital, o relatório afirma que "ao se entender o Sistema da Secretaria Municipal de Saúde, neste controle, causa de fato estranheza a essa CPI a insistência com que se afirma que: 'Não havia qualquer espécie de controle da Prefeitura Municipal de Campo Grande nos pagamento efetuados'”

Entre esses serviços está a realização de radioterapia sem constatação do serviço prestado.

O Denasus, segundo relatório, realizou, em media, de sete a oito auditorias anuais entre 2008 e 2012 em Campo Grande, fora as visitas técnicas ou de monitoramento em todos os hospitais da Capital, inclusive o Hospital do Câncer Alfredo Abrão, pivô das denúncias de fraudes. A CPI constatou "eventuais falhas" no sistema de captação de pagamentos da Capital.

Durante depoimento á CPI, o ex-secretário municipal da Saúde Leandro Mazina assegurou que as auditorias foram realizadas nos serviços de oncologia e que estas analisaram os procedimentos de alto custo antes e depois da sua realização. Já o pagamento, segundo ele, não era realizado sem comprovação de realização do serviço.

Acompanham a leitura do relatório o presidente da CPI, Flavio Cesar (PT do B), e os vereadores Coringa (PSD), Marcos Alex (PT), Derli dos Reis, o Cazuza (PP), e Luiza Ribeiro (PPS), que não é membro, mas fez questão de acompanhar a apresentação do documento.

 

 

Presidente da CPI da Saúde faz mistério e evita confirmar indiciamentos
A três dias da leitura do relatório final da CPI da Saúde, o presidente da comissão, vereador Flávio César (PTdoB), manteve o clima de mistério e evi...
Comissão do Congresso deve agilizar aprovação de projetos em segurança pública
O presidente do Senado, Eunício Oliveira, disse nesta segunda-feira (21) que uma comissão mista, de senadores e deputados ligados à área de segurança...



Eu "estranho" o fato de nada ser descoberto ...
 
João Sampaio em 20/12/2013 17:07:36
Apesar de tudo isso, essa turma ainda pretende voltar ao poder em MS, imagine como ficaria a saúde em MS. Se é para fazer justiça, nada deve ser jogado para baixo do tapete, com a palavra os senhores vereadores, MPE e MPF.
 
Jorge Arruda em 20/12/2013 16:37:50
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions