A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

02/08/2016 09:00

Delcídio se preocupou com amigos presos na Lava Jato, disse Lula ao MPF

Ex-senador foi preso depois de oferecer ajuda ao ex-diretor da Petrobras

Mayara Bueno
Ex-senador e ex-PT, Delcídio do Amaral. (Foto: Arquivo)Ex-senador e ex-PT, Delcídio do Amaral. (Foto: Arquivo)

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou, em depoimento ao MPF (Ministério Público Federal de Mato Grosso do Sul), que o ex-senador Delcídio do Amaral (sem partido-MS) demonstrou preocupação com amigos presos na Lava Jato. As informações foram divulgadas pelo G1, na segunda-feira (1º).

Depoimento de abril 2016 está em processo na 10ª Vara da Justiça Federal de Brasília. O sigilo foi retirado semana passada, quando foi aberta ação penal que tornou Lula réu. Ele, Delcídio e outras cinco pessoas são acusadas de obstruir a Justiça, na tentativa de comprar o silencio do ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró, um dos delatores da Lava Jato.

Segundo o depoimento, Lula afirmou que Delcídio disse, em conversas informais, estar preocupado com as pessoas que estavam presas por ser amigo delas, como o Cerveró e outras. O ex-presidente, por sua vez, disse que não era amigo dessas pessoas e que não tem recordações das conversas com Delcídio sobre a Operação Lava Jato.

Ainda ao Ministério Público, o ex-presidente disse que passou a manter uma relação “mais densa” com o senador cassado quando ele se tornou líder do governo no Senado, mas que os dois não eram próximos quando ele foi presidente da República.

Lula ainda disse que houve aproximação “natural” entre ele e Delcídio, porque ele se tornou líder do Senado, mas que ambos não eram amigos. Lula também afirmou em seu depoimento que é "mentira" de Delcídio que os dois tenham conversado sobre o acordo de delação premiada de Nestor Cerveró. Em denúncia baseada na delação de Delcídio, a Procuradoria Geral da República concluiu que Lula e o ex-senador estavam entre os que atuaram para comprar por R$ 250 mil o silêncio do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró.

Delcídio teve o mandato cassado pelo Senado em maio deste ano. Ele foi preso em novembro do ano passado por tentar obstruir as investigações da Lava Jato ao oferecer R$ 50 mil mensais à família de Nestor Cerveró. Ele foi acusado de tentar convencer o ex-diretor da Petrobras a não fechar um acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal (MPF).

O Campo Grande News tentou contato com Delcídio do Amaral, via telefone, mas a ligação deu sinal de desligado.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions