ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUINTA  22    CAMPO GRANDE 22º

Política

Deputados recorrem ao STF para tentar retorno da CPI da Enersul

Filipe Prado | 01/07/2015 19:53

Depois que o TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) negou recurso do Estado contra a liminar que cancelou a criação da CPI para investigar desvio de recursos na Enersul, os deputados membros da comissão prometem recorrer à decisão no STJ (Superior Tribunal de Justiça) e STF (Superior Tribunal Federal).

O relator da CPI, o deputado estadual Beto Pereira (PDT), explicou que o acórdão será publicado nos próximos dias, a partir disso eles devem entrar com recursos, o que está previsto para acontecer na próxima semana.

“O STF trabalha com a prerrogativa constitucional e queremos que a Assembleia possa investigar”, comentou o deputado. O recurso do TJMS foi negado na última quarta-feira (24).

Impasse – CPI da Enersul foi criada em 31 de março, após denúncias de pagamentos irregulares que poderiam sustentar um desvio de até R$ 700 milhões. A Energisa entrou com ação pedindo para ser excluída da investigação, já que ela assumiu o serviço após o período em que supostamente foram praticadas as irregularidades.

O desembargador Dorival Renato Pavan acatou o pedido da concessionária e mandou suspender os trabalhos da Comissão.

Em parecer assinado pela Procuradora-Geral Adjunta de Justiça Jurídica, Mara Cristiane Crisóstomo Bravo, o MPE (Ministério Público Estadual) disse que a CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) Enersul é legal, mas também opina pela exclusão da empresa da lista dos investigados.

No recurso, a Assembleia entende que “não existe qualquer arbitrariedade na utilização no nome CPI Enersul/Energisa, pois mesmo que as irregularidades objetos da investigação central tenham origem em período anterior à assunção do controle da Enersul [...], o fato é que hoje a primeira foi sucedida em direitos e obrigações pela segunda”.

O órgão entende que, embora os gestores não possam ser responsabilizados por irregularidades cometidas pelos antecessores, a empresa sim possa responder por elas, já que atualmente “quem tem capacidade para estar em juízo é a Energisa”.

Nos siga no Google Notícias