A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

13/04/2016 19:03

Dilma está fora, afirmam ex-deputados que votaram no impeachment de Collor

Paulo Yafusso
24 anos depois, a cena se repete; povo sai às ruas pedindo o impeachment de um presidente do Brasil (Foto: Marcos Ermínio)24 anos depois, a cena se repete; povo sai às ruas pedindo o impeachment de um presidente do Brasil (Foto: Marcos Ermínio)

Na semana em que mais uma vez a Câmara dos Deputados decide o futuro do presidente do Brasil, 24 anos depois alguns ex-políticos de Mato Grosso do Sul relembram o processo que tirou Fernando Collor do poder, também ao enfrentar um processo de impeachment, como ocorre agora com Dilma Rousseff.

Aos 85 anos completados nesta quarta-feira (13), o ex-deputado federal Elísio Curvo afirma estar triste pelo que o país vem enfrentando e diz que, se fosse hoje, não defenderia Collor. Na época, ele era um dos integrantes da chamada “tropa de choque” do então presidente.

Outro que participou daquele processo é Valter Pereira, eleito deputado federal pelo PMDB, partido do qual se desfiliou recentemente. Para ele, tanto no caso de Fernando Collor como de Dilma Rousseff, a fundamentação dos pedidos de impedimento não são tão fortes, e o que pesa é o sentimento da população.

“No caso da Dilma, as pedaladas não têm influência na cabeça do parlamentar, o que pesa é o clima de pessimismo, de descrença, e a indignação pela política econômica desastrosa e a corrupção avassaladora. As pedaladas são apenas a âncora para o pedido de impeachment”, afirma Pereira. Segundo ele, a presidente peca ainda pela falta de articulação e pela incompetência em conduzir o país.

Elísio Curvo justifica que defendeu o presidente Collor por ter acompanhado toda a investigação, por fazer parte da CPI que apurou supostas irregularidades na gestão dele. “A CPI não achou nada do que o presidente era acusado, só o conserto do jardim da Casa da Dinda (onde Collor morava com a família) e a compra de um Fiat”, afirmou o ex-deputado. Ele diz que defendeu a permanência de Fernando Collor mas nega que tenha feito parte da “tropa de choque” do então presidente.

Apesar da idade e de ter passado 24 anos do episódio, Curvo, que atualmente mora no Rio de Janeiro, se recorda praticamente de toda a frase que disse no momento do voto: “Contra esse cruel e traiçoeiro linchamento político, voto contra. Eu não sou covarde, não vou trair o meu voto e nem vou me calar, estou com a verdade e com ela não tenho temor”. Ele disse que ao votar, Collor já havia sido condenado pela maioria dos colegas do parlamento, mas assim mesmo manteve a postura.

Tanto Elísio Curvo como Valter Pereira entendem que uma outra diferença entre os dois momentos políticos vividos pelos brasileiros, é que Fernando Collor não tinha partido, estava sozinho, enquanto Dilma tem o PT. “Dilma tem um partido político, Collor não tinha organização partidária que a Dilma tem, o PT tem organização partidária, tem militância, que é o esteio para que ela se sustente. Se não fosse isso, ela já teria sucumbido”, avalia Pereira.

Curvo diz lamentar a situação que o Brasil enfrenta e defende uma nova eleição, já que o vice-presidente Michel Temer e o presidente da Câmara Federal também estão sendo acusados de praticarem irregularidades. “Fico triste que tenho netos que vão pagar por isso”, afirmou ele, ao lembrar que a Petrobras, que era o orgulho dos brasileiros, se transformou no centro da corrupção e de descrédito do Brasil no exterior. “O PT acabou com o Brasil, e em 10 anos não vai ser possível consertar isso, tapar o buraco que deixaram”, declarou. Para ele, a solução está na conscientização da população, na hora de votar.

Para o doutor em história Paulo Esselin, Fernando Collor não tinha partido que o sustentasse e outro ingrediente que pesou na abertura do processo de impeachment dele é que “entrou em rota de coalizão com a burguesia paulista” e na época se defendia um governo de coalizão, tanto que com a renúncia de Collor passaram a ter influência na gestão do vice que assumiu, Itamar Franco, políticos como Antonio Carlos Magalhães, Fernando Henrique Cardoso.

Para Esselin, a movimentação agora também seria por um governo de coalizão. O problema é que essa união de partidos ficou difícil por conta das investigações que “estão levando para a cadeia a burguesia nacional”. No entendimento do historiador, Eduardo Cunha também não escapa da condenação no processo que enfrenta na comissão de ética da Câmara Federal. Quanto a Dilma Rousseff, ele é categórico: “Está completamente isolada, não tem a menor chance de escapar”.

Fernando Collor de Mello foi acusado pelo próprio irmão, Pedro Collor, de lavar dinheiro no exterior, e de usar contas fantasmas no exterior para realizar operações fraudulentas. Ao enfrentar o processo de impeachment, para não ter os direitos políticos cassados, ele renunciou ao cargo de presidente no dia 29 de dezembro de 1992.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions