A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

01/01/2016 18:22

Dilma sanciona LDO 2016 com veto a reajuste de 16,6% do Bolsa Família

Flávio Paes

A presidente Dilma Rousseff sancionou com vetos a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2016. O texto foi publicado em edição extra do Diário Oficial da União de 31 de dezembro e traz, entre os vetos, dispositivo que previa reajuste de 16,6% para os beneficiários do Bolsa Família. A LDO contém parâmetros e estimativas que orientam a elaboração do Orçamento deste ano.

Ao vetar o trecho da lei, a presidenta Dilma Rousseff justificou que o reajuste não está previsto no projeto de Lei Orçamentária de 2016, que já foi aprovado pelos parlamentares e deve ser sancionado por ela nos próximos dias.

Principal bandeira social do PT, o programa teria benefícios reajustados em pelo menos 16,6% caso não houvesse o veto presidencial. A taxa corresponde ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acumulado entre maio de 2014 – quando foi feita última correção – e novembro de 2015, último dado do IBGE.

Hoje o benefício básico é de R$ 77,00, podendo chegar a R$ 336 por família conforme o número de gestantes que vivem em uma residência. Conforme o portal da transparência, ano passado, os beneficiários do programa em Mato Grosso do Sul receberam R$ 248 milhões, sendo R$ 43 milhões só em Campo Grande. Este montante é 11% inferior ao repasse de 2014, que ficou em R$ 279 milhões(R$  43 milhões na Capital). 

“Assim, se sancionado, o reajuste proposto, por não ser compatível com o espaço orçamentário, implicaria necessariamente o desligamento de beneficiários do Programa Bolsa Família”, afirmou a presidenta, em mensagem com justificativas dos vetos enviada ao Congresso.

Segundo Dilma, o Bolsa Família passa por aperfeiçoamentos e mudanças estruturais e, caso esse “reajuste amplo” não fosse vetado, prejudicaria famílias em situação de extrema pobreza que recebem o benefício de forma não-linear, em valores distintos.

Outro ponto vetado exigia que a União reservasse um valor mínimo para ações e serviços públicos desaúde, seguindo uma regra que leva em conta a variação do Produto Interno Bruto (PIB) do ano anterior. De acordo com a mensagem presidencial, a Constituição Federal já prevê, com base na emenda 86, um valor mínimo de aplicação no setor.

A destinação de recursos por parte da União não pode ser inferior a 15% da receita corrente líquida do exercício financeiro em questão. Conforme a justificativa do veto, caso esse valor fosse diferente poderia haver uma “insegurança jurídica” que prejudicaria as ações na área.

Marun ainda quer votar relatório da JBS antes de posse no ministério
Na véspera de ser empossado como ministro da Secretaria de Governo, o deputado Carlos Marun (PMDB-MS), relator da Comissão Parlamentar Mista de Inqué...
Senado aprova R$ 1,9 bi a estados para compensar desoneração de exportações
Após suspender a sessão do Congresso Nacional, o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), retomou os trabalhos do plenário da Casa com o obj...
Temer discutirá data de votação da reforma da Previdência nesta quinta
O anúncio do líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), de que a votação da proposta de reforma da Previdência ficará para fevereiro causou r...


Só no Brasil mesmo...

Descubra o que é delação premiada, peculato, petrolão e muito mais de forma simples e rápida:

http://www.queé.com/2016/01/delacao-premiada.html

http://www.queé.com/2015/12/petrolao.html

http://www.queé.com/2015/12/peculato.html

:)
................
 
Jujuzinha Silva em 02/01/2016 11:28:29
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions