A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

04/05/2015 18:40

Folha cresce 40% e Olarte descarta reajuste para não cometer crime

Lidiane Kober
Olarte foi taxativo e afastou reajustes salariais neste ano (Foto: Fernando Antunes)Olarte foi taxativo e afastou reajustes salariais neste ano (Foto: Fernando Antunes)

Após assumir reajustes salariais de gestões anteriores e elevar a folha em 40,34%, o prefeito Gilmar Olarte (PP) foi taxativo e afastou de vez dar novos aumentos sob pena de cometer crime de responsabilidade fiscal. Ao mesmo tempo, segundo ele, a prefeitura perdeu, só neste ano, R$ 194 milhões em ICMS e IPTU. Neste sentido, ele apelou para o “bom senso”, pediu “responsabilidade” e ajuda de todos para superar a crise financeira.

O assunto, inclusive, foi tema de entrevista coletiva, na tarde desta segunda-feira (4). Na ocasião, Olarte detalhou as perdas e apresentou medidas de contenção de despensas. A situação, conforme ele, está tão feia que nem greve dos médicos irá fazer o governo a dar aumento salarial.

De 2012 a 2014, de acordo com o prefeito, a folha aumentou 40,34% e, ao mesmo tempo, a receita corrente líquida cresceu 14,32%. Só os professores, ainda segundo Olarte, ganharam, em 2012 reajuste de 7%, mais 7% e mais 8%. Em 2013, o aumento foi de 10,82% e, no ano passado, a elevação chegou a 26,79%, escalonado em cinco vezes.

Diante dos reajuste salariais, a folha atingiu limite prudencial e a ordem é segurar novas elevações para não infringir a Lei de Responsabilidade Fiscal, que dá teto de 51,3% com gasto com pessoal.

Queda de receita – Ao mesmo tempo, o prefeito disse que o ICMS baixou de 25,4% para 21,4%. “Cada 1% representa R$ 5 milhões a menos por mês”, detalhou o secretário de Governo, Rodrigo Pimentel.

Fora isso, a aprovação de reajuste menor do IPTU, no ano passado, teria desfalcado, neste ano, a administração em R$ 82,9 milhões, somado a queda de R$ 27 milhões na arrecadação do ISS e ao repasse de menos R$ 16,8 milhões, de janeiro a abril, do FPM (Fundo de Participação dos Municípios).

“Não é que a gente não quer dar aumento, a gente não pode dar aumento”, garantiu o prefeito. Ele admitiu que a medida é impopular. “Pode gerar desgaste, pode”, afirmou. “É preciso ter muita coragem, mas é necessário para salvar a sequência da administração”, completou.

Neste sentido, Olarte praticamente implorou pela compreensão dos servidores. “Todo o servidor que tem responsabilidade vai entender essa situação”, avaliou. “A prefeitura vai dialogar à exaustão, mostrar suas contas e assumir o compromisso de rever os ajustes e implantar reajustes assim que a receita reagir positivamente”, completou.

Se o apelo não surtir efeito e as greves e paralisações seguirem, Olarte não descartou judicializar o assunto. “Vamos tomar todas as medidas necessárias para garantir a continuidade do serviço público”, finalizou.



gente o q esse prefeito ta falando,como q a folha aumento se ele corto todas as bonificações
corto todas as hora extra e ainda vem fala q a folha aumento 40% só ser for o salario dele q alento 40% prefeito faça meu favor, greve mesmo tem que fazer greve mesmo nunca um prefeito reclamou tanto quanto Gilmar Olarte reclama,pega sua viola sai fora Olarte.
 
joao carlos de oliveira em 04/05/2015 19:45:32
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions