A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 23 de Julho de 2018

29/05/2017 12:30

Governo diz que denunciante é picareta e usa empresas fantasmas para fraude

"Nós temos a comprovação de que eles emitiram mais de R$ 200 milhões em notas frias", diz Azambuja

Aline dos Santos e Helio de Freitas, enviado a Itaporã
Empresa de denunciante, Braz Peli tem sede em Campo Grande. (Foto: Marcos Ermínio)Empresa de denunciante, Braz Peli tem sede em Campo Grande. (Foto: Marcos Ermínio)
Azambuja diz que picaretas fabricavam créditos de ICMS. (Foto: Helio de Freitas)Azambuja diz que picaretas fabricavam créditos de ICMS. (Foto: Helio de Freitas)

O governo do Estado aponta que a empresa Braz Peli Comércio de Couros, cujo proprietário denunciou ao Fantástico o pagamento de propina ao ex-chefe da Casa Civil, movimentou R$ 215 milhões sem recolher impostos e investiga o uso de seis empresas fantasmas para simular compra de couro bovino.

Com sede no Núcleo Industrial de Campo Grande, a empresa do denunciante José Alberto Berger teve benefício fiscal suspenso em novembro de 2016 e acionou a Justiça contra a Sefaz (Secretaria Estadual de Fazenda).

Conforme o governo, a suspensão foi porque a Braz Peli descumpriu o Termo de Acordo 490/2010, que lhe concedeu incentivos fiscais. A grande quantidade de couro que a Braz Pelo começou a receber de empresas de outros Estados levou a Sefaz a investigar.

As empresas com suspeita de ser fantasma, pois foram instaladas em endereços que não existem, ficam em São Paulo, Goiás, Mato Grosso e Rio Grande do Norte.

Segundo a apuração, a situação mais grave é no Rio Grande do Norte, onde deveria funcionar a SP Smarte Norte Atacado. A auditoria fiscal daquele Estado identificou indícios de que a empresa foi aberta com objetivo de fraudar o fisco.

Conforme o relatório, a SP Smarte foi criada em 16 de março e com capital inicial de R$ 200 mil. Até o dia 28 março, emitiu notas no montante de R$ 5.052.746,63, sem nenhum registro de entrada. De acordo com documento do governo do Rio Grande do Norte, só para a Braz Peli foram emitidas notas fiscais que totalizam R$ 4.634.359,10 entre 14 e 22 de março de 2017.

Ainda de acordo com a administração estadual, a Secretaria de Fazenda de São Paulo informou que fiscalização esteve na rua Antonio Benedito Patuci, onde deveria funcionar a empresa William Aparecido Brassolati, em Mongagua. No cadastro consta que a firma funciona no prédio de número 924, mas a numeração não existe e um moradora da rua desde 1982 nunca ouviu falar da empresa.

Também em São Paulo, outra empresa que entregou couro para a Braz Peli foi a Anderson Couros, de Guarulhos. O endereço informado nas notas fiscais é uma residência.

Para a Sefaz, o esquema de sonegação de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) começou em dezembro de 2013, quando um quarto aditivo ao termo de acordo fiscal autorizou a Braz Peli a abater gado em frigoríficos de terceiros para beneficiar o couro na unidade de Mato Grosso do Sul. A justificativa foi falta de matéria-prima diante da queda do abate.

Em 2016, a empresa de Campo Grande teria aumentado o abate de bovinos: de 1.376 para 17.149 por mês. “No mesmo ritmo seguiu a entrada de couro vindo de outros estados, gerando aumento nos créditos fiscais - de R$ 342.414,11 em média até setembro de 2016 e a partir de mês seguinte saltou para R$ 2.263.132,78”, informa o governo.

Batalha Jurídica – Com a suspensão dos benefícios fiscais, a empresa entrou com ação na 1ª Vara da Fazenda Público e Registros Públicos. Primeiro, a liminar foi negada, mas a defesa recorreu e a Justiça determinou a volta do incentivo.

Após a Braz Peli apresentar argumentos à Sefaz, a pasta considerou a justificativa infundada e suspendeu, de novo, o benefício no começo de abril de 2017. A empresa acionou o TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul). No dia 5 de maio, o desembargador Claudionor Miguel Abss Duarte suspendeu a resolução da Sefaz, restabelecendo o benefício.

Segundo a PGE ( Procuradoria-Geral do Estado), desde “2013 até 3 de abril de 2017 a impetrante movimentou R$ 700.054.478,36 em saídas interestaduais mas recolheu apenas R$ 97.527,97, sendo que quase a totalidade desse valor foi recolhida em 2013. É dizer, desde 2014 a impetrante vem realizando saídas interestaduais tributadas sem recolher o ICMS devido”. A reportagem não conseguiu contato com a defesa da Braz Peli.

Governo e empresa têm embate no Tribunal de Justiça. (Foto: Arquivo)Governo e empresa têm embate no Tribunal de Justiça. (Foto: Arquivo)

Fantástico – Dono da Braz Peli, José Alberto Berger relatou que em 4 de novembro recebeu e-mail apontanto irregularidade e teve autorização para compra de gado suspensa. Em seguida, conta que procurou o governador Reinaldo Azambuja (PSDB), que o encaminhou para Sérgio de Paula então chefe da Casa Civil.

O intermediário para pagamento de propina seria José Ricardo Guitti, conhecido como Polaco. José Alberto diz que pagou propina R$ 500 mil em duas parcelas de R$ 250 mil, sendo a última em 10 de novembro, mesmo dia em que a licença foi reativada.

Diante de uma nova cobrança, o empresário gravou a entrega de R$ 30 mil para José Ricardo no dia 8 de dezembro de 2016. Ainda de acordo com José Alberto, o pedido era pagamento de R$ 150 mil por mês. Ele negou, a empresa perdeu novamente a autorização e foi multada em R$ 7 milhões por sonegação fiscal.

Sérgio de Paula nega ter recebido dinheiro ou autorizado alguém a fazê-lo em seu nome. José Ricardo Guitti também negou o recebimento de valores. Sérgio de Paula foi exonerado do cargo em março de 2017.

Picareta - Nesta segunda-feira, Azambuja afirmou que as denúncias são de picaretas e que foram emitidos mais de R$ 200 milhões de notas frias.

“Nós temos a inteligência fiscal que já mostrava a movimentação muito atípica desses empresários. Começaram a fabricar crédito de ICMS. Nós temos a comprovação de que eles emitiram mais de R$ 200 milhões em notas frias. Cabe a nós respondermos com documentos à denúncia desses picaretas. São fraudadores do Fisco estadual”, salienta o governador, que cumpriu agenda em Itaporã.

Frigoríficos dizem ter pago propina para ex-chefe da Casa Civil
O Fantástico denunciou o pagamento de propina para o ex-secretário da Casa Civil, Sérgio de Paula. Conforme reportagem exibida ontem no programa da T...
Eleições presidenciais já têm cinco candidatos confirmados
No primeiro fim de semana de convenções nacionais, os partidos políticos confirmaram cinco candidatos a presidente da República: Ciro Gomes (PDT), Gu...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions