ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEGUNDA  27    CAMPO GRANDE 15º

Política

Para deputado, há "más intenções" em mudanças na residência médica

Decreto altera integrantes da Comissão Nacional de Residência Médica e afeta a tomada de decisões, diz Ovando

Por Izabela Cavalcanti | 23/04/2024 12:51
Profissional da saúde atende paciente em Unidade Básica de Saúde de Campo Grande (Foto: Divulgação/Prefeitura de Campo Grande)
Profissional da saúde atende paciente em Unidade Básica de Saúde de Campo Grande (Foto: Divulgação/Prefeitura de Campo Grande)

O Decreto n° 11.999, de 17 de abril de 2024, preocupa alguns profissionais da área da saúde devido às mudanças impostas para a Residência Médica. Diante da situação, o deputado federal Luiz Ovando (PP/MS), que é médico há quase 50 anos, vê a situação como “má intenção” por parte do Governo Federal e diz que vai pedir audiência com o vice-presidente do Brasil, Geraldo Alckmin.

“Foi uma surpresa e eu diria um pouco mais, até uma má intenção. Na residência já são médicos que tem nível de percepção significativo, mas que eles estão interferindo para poder fazer o que querem em relação ao treinamento médico. Esse é o problema, houve uma má intenção exatamente por isso, porque, na verdade, a Comissão Nacional de Residência Médica é composta de vários segmentos da sociedade médica exatamente para manter o nível e preparar o profissional”, explicou Ovando.

As mudanças afetam a CNRM (Comissão Nacional de Residência Médica), entidade que forma e regulamenta os programas de residência médica no país, o que causa desequilíbrio na tomada de decisões. A mudança também prevê que o secretário executivo perca o direito ao voto; a presença de não médicos entre seus membros; e o poder decisório da comissão é agora limitado pela Câmara Recursal.

“Eles querem mandar, porque na verdade existia uma paridade do governo e das entidades, em torno de 50%. Com essa mudança, o governo passa a ter 62% da capacidade de decisão e a residência médica, os interesses médicos, cai para 38%. Isso foi mal colocado. É uma má intenção do governo”, reiterou.

Ainda de acordo com o parlamentar, a nova composição da CNRM, tendo como maioria representantes governamentais, é uma ameaça para a classe. “Com a residência que é um concurso público, eles [governo] querem intrometer e decidir o que fazer com o médico residente. Isso é um desrespeito com o médico residente, com as instituições, com a Medicina e, principalmente, com a população que não vai dar uma boa formação àquele profissional”, pontuou o deputado.

Deputado Luiz Ovando em postagem nas redes sociais falando sobre a mudança na Comissão da Residência Médica (Foto: Reprodução/Instagram)
Deputado Luiz Ovando em postagem nas redes sociais falando sobre a mudança na Comissão da Residência Médica (Foto: Reprodução/Instagram)

Ovando também é atuante na Comissão de Saúde da Câmara dos Deputados e diz que vai pedir audiência com Alckmin, que assinou o decreto. “Pedi uma audiência com o Alckmin, que é médico, que assinou isso, acho que ele não leu isso”, concluiu.

O presidente do CRM/MS (Conselho Regional de Medicina de Mato Grosso do Sul), Carlos Idelmar de Campos Barbosa, declarou que as entidades médicas estão firmemente contra o decreto.

A medida é percebida como uma intromissão direta na autonomia técnica e na capacidade regulatória da CNRM, fundamental para assegurar a excelência e a fiscalização dos programas de residência médica no Brasil. Tal mudança pode comprometer a formação de profissionais de saúde capacitados, impactando negativamente a prestação de assistência médica à população e colocando em risco a qualidade dos serviços de saúde no país", pontuou.

Anda de acordo com ele, essas mudanças foram implementadas sem o conhecimento e sem discussão da Comissão Nacional de Residência Médica, e que o CFM (Conselho Federal de Medicina) já se posicionou de forma contrária a medida tomada.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias