A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 23 de Março de 2019

23/11/2018 16:33

Pedro Chaves vê com preocupação nome escolhido para Ministério da Educação

O senador, que é empresário do ramo da educação, diz, porém, que o colombiano Ricardo Velez Rodriguez pode fazer um bom trabalho

Mayara Bueno e Humberto Marques
O senador Pedro Chaves (PR)O senador Pedro Chaves (PR)

É com preocupação que o senador de Mato Grosso do Sul Pedro Chaves (PSC) enxerga a nomeação do colombiano Ricardo Vélez Rodríguez para o Ministério da Educação, nome anunciado nesta sexta-feira (dia 23) pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL).

Chaves participa de evento no Hospital de Câncer, em Campo Grande, com a presença, também do ministro Carlos Marun (MDB), da Casa Civil. Para o parlamentar, empresário do ramo da educação, o viés ideológico do futuro ministro tem de ser tratado “com muito cuidado”. “Sinto que ele é extremamente radical de direita e educação tem de ser tratada com muito cuidado”.

Apesar da preocupação, o senador diz que a formação do futuro ministro, que inclui filosofia, cursos, doutorado, além da estrutura do Ministério, dá condição de fazer “um bom trabalho”.

Mesmo assim, Chaves afirma que o “ideal” seria que o escolhido tivesse o apoio das confederações, escolas, universidades, enfim, todos os envolvidos na área educacional.

“O bom ministro é o que sabe conviver. O educando precisa ter conhecimento de todas as linhas, não só de direita, mas entender como funciona a esquerda, do que a doutrina Marxista tem de conhecer”, explicou o senador sobre um “ministério denso” e a escolha do ministro representar entrave em determinados segmentos.

Escola Sem Partido

“É um equívoco tremendo”, segundo o senador. Para ele, não tem condição de a medida, que restringe discussão de temas de política, sexualidade e religião, nas escolas, ser aplicada.

A indagação ao senador foi sobre a discussão que, com a eleição de Bolsonaro, tomou mais força, justamente por ser ele um dos principais defensores.

“Não podemos levar política partidária. Mas a experiência do professor tem de ir junto, se não vira um robô”.

Governo Estadual - Cogitado para assumir uma agência de desenvolvimento no governo de Reinaldo Azambuja (PSDB), no segundo mandato, o senador disse que ainda está em conversações. 

Ele chegou a ser citado como o novo nome para a educação, mas voltou a afirmar que Maria Cecília Amendola da Mata, atual secretária de Educação de Mato Grosso do Sul, deve permanecer na pasta, no próximo mandato. 



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions