A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 19 de Abril de 2018

03/10/2017 14:21

Por maioria esmagadora, vereadores aprovam tributação de Netflix e Spotify

Projeto de Lei Complementar do Executivo estabelece tributação de 5% sobre os serviços de streaming e foi aprovado em regime de urgência

Izabela Sanchez E Mayara Bueno
Aprovação por maioria esmagadora aconteceu em regime de urgência (Mayara Bueno)Aprovação por maioria esmagadora aconteceu em regime de urgência (Mayara Bueno)

Com a deixa da Lei Federal 157 de 29 de dezembro de 2016, a Câmara Municipal de Campo Grande aprovou em regime de urgência, no final da sessão desta terça-feira (3), a cobrança de ISSQN (Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza) da Netflix, Spotify e outras empresas que prestam serviços de streaming, tecnologia que envia informações multimídia (vídeos e músicas) por meio da internet. A aprovação foi unânime, com 24 votos favoráveis e apenas um contrário, do vereador Vinicius Siqueira (DEM).

A cobrança, segundo o titular da Sepanflic (Secretaria Municipal de Planejamento, Finanças e Controle), Pedro Pedrossian Neto, será de 5%. O secretário relata que reuniu-se com todos os parlamentares municipais antes do texto ir para apreciação da Câmara. Siqueira, no entanto, acredita que para a cobrança seria necessária uma contrapartida do município na forma de redução tributária de outro produto ou serviço.

"A Prefeitura entregou um projeto que tributa Netflix e Spotify e até serviços de cremação, com a desculpa de que tem que seguir a regulamentação federal. Ela tinha que fazer se ela desse alguma contrapartida. Votei contra na CCJ [Comissão de Constituição e Justiça] e também aqui", comentou Siqueira.

Pedrossian demonstrou surpresa com o voto contrário do vereador. "Tivemos uma reunião em todos os detalhes, em princípio não houve nenhuma alteração de legislação específica, não entendi [necessidade de contrapartida], estamos apenas regulamentando, colocando uma legislação aprovada pela Câmara Federal", comentou.

O projeto foi aprovado no final da sessão, quando estavam ausentes os parlamentares André Salineiro (PSDB), Cazuza (PP) e Betinho (PRB). Pedrossian relatou que ainda não sabe como o tributo será repassado aos consumidores dos serviços, e acredita que as empresas "possuem bastante margem" e que "não necessariamente vão passar a tributação para o consumidor". 

Lei Federal - A lei federal 157 entrou em vigor no dia 29 de dezembro de 2016, e estabelece cobrança mínima de 2% para os serviços de streaming. O ISSQN é um imposto definido por cada município que o consumidor não paga diretamente, ou seja, quem precisa arcar com o tributo é o próprio prestador de serviço. Entretanto, como é um gasto adicional não previsto, pode significar um aumento na mensalidade, por exemplo, caso a empresa ache necessário.



Absurdo! Agora o que me interessa é como a prefeitura pretende fazer isso. Perguntar a Netflix pagar para cada cliente que disse que mora em Campo Grande? Logo todos vao mudar o cadastro...
Alias, devo fazer isso agora, pois moro a mais que 10 mil km de Campo Grande (sim, do outro lado do Atlantico) mas como morei em Campo Grande quando assinei o serviço, o Netflix pode bem pensar que ainda moro la. Afinal, nao verifica os endereços dos seus clientes nunca. Agora quero ver a prefeitura comprovar que o Netflix deve ISSQN para Campo Grande por causa de eu ser cliente... como vao provar onde moram os clientes?
 
Marc em 03/10/2017 16:23:49
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions