A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 10 de Dezembro de 2017

06/05/2013 08:42

Prefeitos de 35 cidades se reúnem na Assomasul para discutir demarcações

Aline dos Santos
Há uma semana, produtores aproveitaram visita presidencial para protestar. (Foto: Marcos Ermínio)Há uma semana, produtores aproveitaram visita presidencial para protestar. (Foto: Marcos Ermínio)

Uma semana depois de provocar vaias e protesto durante a visita da presidente Dilma Rousseff (PT) a Campo Grande, a demarcação de novas terras indígenas volta à pauta de discussão nesta segunda-feira. Desta vez, o debate acontece na Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul).

Foram convocados prefeitos de 35 municípios e parlamentares da bancada federal. A reunião começa às 10h e será às portas fechadas. Ao fim, os prefeitos devem anunciar as deliberações sobre a questão.

Já na próxima quarta-feira, a discussão sobre o tema será em Brasília. Uma audiência vai reunir produtores e a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann.

Conforma a Famasul (Federação de Agricultura e Pecuária), a intenção da Funai (Fundação Nacional do Índio) é demarcar como indígena uma área que abrange 22% do Estado, abrangendo 28 municípios. A área equivale a 25% do PIB (Produtor Interno Bruto) e 60% da produção de soja de Mato Grosso do Sul.

Na região, estão municípios como Coronel Sapucaia, Amambai, Aral Moreira, Laguna Carapã, Caarapó, Jutí, Naviraí, Tacuru, Itaquiraí, Paranhos, Sete Quedas e Iguatemi. O MPF (Ministério Público Federal) pede a criação ou ampliação de 39 novas áreas.

Supremo veta participação do Estado em processo de demarcação
O STF (Supremo Tribunal Federal) rejeitou a participação do Estado como parte do processo que questiona a demarcação da terra Taquara, no município d...
Funai cria grupo de trabalho para continuar demarcação de terra indígena em MS
A Funai (Fundação Nacional do Índio) instituiu na semana passada um grupo técnico para realizar no Mato Grosso do Sul os estudos complementares neces...


Se os políticos não resolverem esse problema, eu sugiro que a população faça um movimento pacífico, cobrando seriedade dos governantes a esse respeito. Não podemos admitir demarcação de terras para devolver aos índios. Índio não trabalha nem produz nada, portanto, não preciosa de terras. Quem trabalha deve ser reconhecido pelo governo, principalmente. O povo tem que tomar uma decisão democrática e pacífica, repito. Os sem terra se organizam e fazem os seus protestos, porque então os verdadeiros produtores não fazem o mesmo, convocam o povo, eu não sou nada mas tem o meu apoio!
 
Olices Trelha em 06/05/2013 10:24:33
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions