A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 20 de Agosto de 2018

09/08/2018 22:46

PT, MDB e PSDB terão mais tempo de TV e rádio na campanha eleitoral deste anos

Já os partidos de Jair Bolsonaro, Marina Silva e Ciro Gomes terão apenas 4,2% do tempo total.

Adriano Fernandes
O MDB terá o equivalente a 11,08 minutos. Seguido pelo PT (11,5 minutos) e o PSDB (9,24 minutos). (Foto: Arquivo) O MDB terá o equivalente a 11,08 minutos. Seguido pelo PT (11,5 minutos) e o PSDB (9,24 minutos). (Foto: Arquivo)

PT, MDB e PSDB, os três maiores partidos brasileiros terão 34% do tempo de televisão e rádio nas eleições deste ano, segundo um levantamento feito pelos analistas Carlos Sequeira e Bernardo Teixeira, do banco BTG Pactual.

Conforme a revista Exame o partido que terá um pouco a mais de tempo para propaganda partidária é o MDB, com o equivalente a 11,08 minutos. Seguido pelo PT (11,5 minutos) e o PSDB (9,24 minutos).

No total, 95 minutos de programação diária serão destinadas a propaganda eleitoral diária, contabilizando os 25 minutos do bloco diário do horário eleitoral e os 70 minutos de inserções espalhadas pela programação dos veículos de comunicação.

Já os partidos de Jair Bolsonaro, Marina Silva e Ciro Gomes terão apenas 4,2% do tempo total. Bolsonaro, do PSL, terá apenas 26,3 segundos, enquanto Marina Silva, da Rede, terá meros 16,3 segundos e Ciro Gomes, do PDT, o terceiro melhor posicionado nas pesquisas, terá 3,6 minutos.

De acordo com as regras estabelecidas pelo Tribunal Superior Eleitoral, 10% do tempo de televisão e rádio serão divididos igualmente entre os 35 partidos existentes no país. Em 2014, 30% do total foi dividido entre as legendas.

Desta forma, o tempo restante — ou 90% — será distribuído proporcionalmente ao número de deputados eleitos pela coligação do partido em 2014. Segundo os analistas, isso levará os maiores e mais estabelecidos partidos a ter uma fatia ainda maior do tempo.

FUNDO ELEITORAL

Em relação aos recursos públicos, o MDB, o PT e o PSDB terão, juntos, 24% do total. Os dez maiores partidos terão 75% do dinheiro público. O financiamento será majoritariamente público, com um fundo eleitoral de 2,6 bilhões de reais. Em 2014, as campanhas totalizaram 5,1 bilhões de reais.

Os recursos empresariais estão proibidos e os próprios candidatos poderão colocar a totalidade do dinheiro que precisam. No entanto, há um teto de gastos de 70 milhões de reais para o primeiro turno da eleição presidencial e de 35 milhões de reais no segundo turno. Só para comparar, em 2014, a campanha de Dilma Rousseff custou 350 milhões de reais.

Os partidos de candidatos que estão à frente das pesquisas de voto vão ter uma parcela pequena dos recursos. O PSL, de Bolsonaro, terá apenas 0,6%, enquanto a Rede, de Marina Silva, terá 0,4%.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions