A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

07/06/2016 07:43

Rodrigo Janot pede ao STF a prisão de Renan, Sarney, Jucá e Cunha

Presidente do Senado, ex-presidente e senador são suspeitos de tentar atrapalhar investigações; já Cunha estaria interferindo nos trabalhos da Câmara

Mayara Bueno
Renan Calheiros e Eduardo Cunha, ambos do PMDB, e presidentes do Senado e da Câmara dos Deputados, respectivamente.(Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil)Renan Calheiros e Eduardo Cunha, ambos do PMDB, e presidentes do Senado e da Câmara dos Deputados, respectivamente.(Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil)
Ex-presidente José Sarney, também do PMDB. (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)Ex-presidente José Sarney, também do PMDB. (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
Senador Romero Jucá (PMDB). (José Cruz/Agência Brasil)Senador Romero Jucá (PMDB). (José Cruz/Agência Brasil)

A Procuradoria-Geral da República enviou ao STF (Supremo Tribunal Federal) pedido de prisão do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), do senador Romero Jucá (PMDB-PR), do ex-presidente da República, José Sarney, e do deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ), presidente afastado da Câmara dos Deputados.

O pedido foi protocolado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e será analisado pelo ministro Teori Zavaski, relator da Lava Jato no Supremo. Segundo informações da Folha de São Paulo, a solicitação de prisão de Renan, Sarney e Jucá tem relação com as gravações feita pelo ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado. As conversas sugerem tentativas de atrapalhar as investigações da operação que investiga desvio e escândalos de corrupção na Petrobras.

Além da prisão, a Procuradoria-Geral pediu o afastamento de Renan Calheiros da presidência do Senado, a exemplo do pedido que afastou Cunha do comando da Câmara. No caso, a prisão do ex-presidente seria domiciliar, com o uso de tornozeleira eletrônica.

Rodrigo Janot também teria pedido a prisão de Eduardo Cunha, sob o argumento de que ele continua tentando interferir nos trabalhos do Legislativo Federal, segundo informações do G1.

Segundo o Ministério Público Federal, Renan, Sarney e Jucá conspiraram para atrapalhar as investigações da Lava Jato.

Eles teriam tentado mudar a decisão do Supremo que prevê a prisão de condenados a partir da segunda instância; tentativa de mudar a lei, para permitir delação premiada apenas para pessoas em liberdade, e não para presos investigados. O MPF também leva em consideração a pressão dos três para que acordos de leniência das empresas pudessem esvaziar todas as investigações.

Os indícios de esquema para atrapalhar a Lava Jato seriam considerados mais graves que as provas que levaram à prisão o ex-senador sul-mato-grossense, Delcídio do Amaral (sem partido), em novembro de 2015 e a perda do mandato, em maio deste ano. O ex-parlamentar foi gravado oferencendo benefícios em troca do silêncio de Nestor Cerveró, delator da Lava Jato.

*Matéria editada para acréscimo de informação às 8h22.

 



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions