ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUINTA  29    CAMPO GRANDE 23º

Política

Servidores do DNIT definem nome “sigiloso” para indicar a cargo

Wendell Reis | 13/02/2012 12:42
Carta é a segunda enviada por servidores ao diretor-geral do órgão(Foto: Simão Nogueira)
Carta é a segunda enviada por servidores ao diretor-geral do órgão(Foto: Simão Nogueira)

Os servidores do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) fizeram assembleia na manhã desta segunda-feira (13) para escolher três nomes a serem indicados para assumir a superintendência do órgão no Estado, que virou motivo de impasse desde que o ex-superintendente Marcelo Miranda Soares foi demitido. Porém, além do sigilo da reunião, os servidores também decidiram esconder o nome dos escolhidos.

A reunião começou às 10 horas e contou com a participação de quase todos funcionários. A reportagem do Campo Grande News esteve no local e verificou que o protocolo era feito pela própria secretária, já que os funcionários estavam na reunião.

Após algum tempo, a reportagem foi informada que a reunião seria fechada e o resultado seria divulgado depois.

Em contato pelo telefone, o presidente da ASDNER/MS (Associação dos Servidores Federais em Transportes de Mato Grosso do Sul), Dirço Martins, informou que os funcionários decidiram manter sigilo sobre os nomes da lista a ser enviada para o ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, e ao diretor-geral do Dnit, Jorge Fraxe.

O sigilo pode ter uma explicação: os servidores do Dnit já mantiveram contato com a diretoria nacional para recomendar o nome de Carlos Antônio Marcos Pascoal. Porém, a indicação perdeu força depois que o Campo Grande News divulgou que ele passou por investigação no TCU (Tribunal de Contas da União).

Pascoal é investigado por irregularidades em três contratos de obras do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) na BR-163, na divisa de Mato Grosso com o Pará. A investigação envolve recursos de R$ 500 milhões.

A cúpula do Dnit foi punida com demissão em processo administrativo disciplinar no dia 2 de janeiro. Na ocasião, foram demitidos o superintendente, Marcelo Miranda, o chefe do Serviço de Engenharia, Guilherme Alcântara de Carvalho, e Carlos Roberto Milhorim, chefe do Dnit em Dourados. O Dnit está sob o comando interino do engenheiro Antônio Carlos Nogueira, número dois na hierarquia do órgão, desde a demissão de Marcelo Miranda.

Nos siga no Google Notícias