A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

08/10/2013 19:43

Sindicalistas falam de neutralidade após reunião, mas clima é de apoio a Bernal

Zemil Rocha e Lidiane Kober
Comissão de sindicalistas reunida com Bernal até o começo desta noite (Foto: Cleber Gellio)Comissão de sindicalistas reunida com Bernal até o começo desta noite (Foto: Cleber Gellio)

Os líderes dos manifestantes que ocuparam a Câmara de Campo Grande e que se reuniram esta tarde com o prefeito Alcides Bernal (PP) saíram do gabinete do chefe do Executivo com o discurso de neutralidade política, mas muitos dos participantes da reunião deixaram claro que estão fechados com o progressista e querem mesmo é defendê-lo contra qualquer busca de punição por parte dos vereadores.

Ao final da reunião, que durou duas horas, com direito a agradecimentos de Bernal e aplausos para todos os que usaram da palavra, sindicalistas e dirigentes de entidades foram questionados sobre o motivo de na Câmara ter 700 manifestantes, parte se excedendo no protesto e alguns até jogando moedas no plenário, segundo reclamaram vereadores, e ali com o prefeito apenas 15 pessoas. “Os vereadores reclamam muito”, respondeu um dos participantes, com apoio de outros. “A multidão que foi lá foi a que votou no prefeito, ninguém fez baderna”, afirmou outro. “E só foi uma pequena parte”, afirmou mais um em tom de voz mais elevado.

O presidente da Federação dos Trabalhadores em Educação, Roberto Botarelli, tentou diminuir o ímpeto de apoio a Bernal manifestado pelos integrantes da comissão que tinham se manifestado ao serem questionados pela imprensa. “Não vamos entrar no debate de quantos levamos lá e quantos trouxemos aqui. Não é esse o objetivo. É preciso desarmar os espíritos. Objetivo é avançar. Estamos cheios de boas intenções e não estamos aqui para defender interesse de ninguém”, afirmou ele.

Até o prefeito Alcides Bernal fez questão de se pronunciar, reclamando dos vereadores que criticam a manifestação realizada esta manhã e que provocou a suspensão da sessão e a decisão da Mesa Diretora de deixar para a próxima terça-feira (15) a votação dos pedidos de abertura de processo visando a cassação. “Esse tipo de vereador que fica falando isso é que cria as dificuldades”, afirmou Bernal.

Outro integrante da comissão, demonstrando também simpatia a Bernal, indagou por que os vereadores deram 30% de limite de crédito suplementar para Nelsinho Trad e os antecessores e apenas 5% para Bernal. “Se são democráticos, porque fizeram isso?”, questionou.

A comissão vai tentar promover uma reunião entre Bernal e os vereadores para tentar construir uma “agenda positiva” e busca a “paz” antes da votação dos dois pedidos de abertura de Comissão Processante no dia 15.

Pregando harmonia – O prefeito Alcides Bernal disse que ouviu os movimentos sociais e disse que eles querem que se encaminhem os projetos a favor da cidade e que a Câmara os aprove para garantir a governabilidade. “Quer essa harmonia porque clima de briga não favorece ninguém”, afirmou o progressista.

Enfatizou que da mesma forma que os movimentos sociais também entende que deve ser respeitada a vontade popular manifestada nas ruas e nas urnas. “Aceitei de pronto que os movimentos sociais sirvam de interlocutores entre mim e o Poder Legislativo”, declarou.

Bernal afirmou que quer boa convivência com os vereadores. “Oposição é importante, mas criticas tem de ser propositivas”, defendeu.

Afirmou que está pronto para hora que o chamarem para ter conversa com a Câmara, porque, segundo ele, “a população está angustiada diante da ameaça de cassação”. Também declarou que quer que aconteça logo essa votação do pedido de impeachment.

 



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions