ACOMPANHE-NOS    
JULHO, SEGUNDA  13    CAMPO GRANDE 21º

Política

Trad diz que merece ser reeleito para concluir obras

Por Redação | 21/01/2008 07:21

Em entrevista concedida na manhã desta segunda-feira ao programa Tribuna Livre, da FM Capital, o prefeito de Campo Grande, Nelson Trad Filho (PMDB) indicou que acredita merecer a reeleição para concluir as obras e projetos iniciados em sua gestão. "Nós concebemos e temos direito de concluí-las", disse.

Ele disse que todos os grandes projetos anunciados pelo menos terão início nesta gestão. No caso das obras de drenagem das águas da chuva, afirmou, serão entregues ainda no primeiro semestre.

Falou sobre a geração de empregos e qualificação de pessoal para atender necessidade de investidores. Na educação disse que vai inovar com ensino em período integral em duas escolas, uma no Rita Vieira e outra no Paulo Coelho. Também citou o novo terminal rodoviário, que vai funcionar na saída para São Paulo e do parque que será instalado desde a saída para Aquidauana até a saída para Rochedo, no bairro José Abraão.

Trad também falou sobre projeto com recursos do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento) que prevê a revitalização do centro de Campo Grande e a conclusão da Via Morena. Ele disse que a intenção é restaurar prédios antigos da 14 de julho e passar a fiação que hoje é exposta para baixo da terra. "Vamos dar um aspecto europeu à 14 de julho", disse. O prefeito também destacou a mudança do sistema semafórico e arrematou: "Temos tudo isso pronto para desembocar. Me faz ter certeza de que deva buscar mais um tempo para concluir tudo isso", disse.

Sobre o seu vice, evitou falar em nomes. Chamou o governador André Puccinelli de "pai político" e disse que não vai abrir mão de discutir todo o processo com ele. Sobre o PT, afirmou que tem boas relações com o senador Delcídio do Amaral e com o ex-governador Zeca do PT, mas que acha muito difícil uma coligação por conta da rivalidade histórica entre os partidos. Nelsinho defendeu, ainda, o mandato de seis anos. "Ninguém agüenta mais eleição a cada dois anos", disse.