A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 20 de Agosto de 2017

13/09/2013 10:35

Vereadores discutem lei para acabar com "apadrinhamento" das casas

Graziela Rezende e Jéssica Benitez
Moradores na fila por casa lotaram audiência na Câmara Municipal (Foto: Marcos Ermínio)Moradores na fila por casa lotaram audiência na Câmara Municipal (Foto: Marcos Ermínio)

Se aprovado, um projeto de lei em tramitação na Câmara Municipal de Campo Grande, de autoria do vereador Zeca do PT, pode acabar com a história do “apadrinhamento” e ainda divulgar, em tempo real, o andamento dos cadastros nos programas habitacionais e sociais da Capital. Nesta sexta-feira (13), a Comissão Permanente de Obras discute o assunto e pretende aprovar o projeto até o final do ano de 2013.

Para pôr o projeto em prática, Zeca sugere um “portal da transparência” para o acompanhamento dos cadastros, assim como ocorre em Brasília. “A pessoa que fez um cadastro acompanhará a sua posição, principalmente, quando saírem novas casas. Recebemos denúncias de beneficiados que estão reformando e vendendo as casas, principalmente no Portal Caiobá”, comenta o petista.

O portal, em funcionamento da internet teria fácil acesso, constando apenas o nome e o número da colocação na fila. Sobre a venda ilícita, o vereador diz que foi pessoalmente pedir ao Ministério Público para que faça uma visita em alguns bairros, porém diz que o “MPE não tem tanta contundência com alguns, como tem com outros”.

“Também queremos acabar com os boatos de apadrinhamento. Se a pessoa está em uma colocação na fila e não foi contemplada, ou está com documento errado ou estão passando a perna. Será uma ferramenta de controle social”, alega o vereador.

Tem morador que espera por uma casa desde 1998 em Campo Grande (Foto: Marcos Ermínio)Tem morador que espera por uma casa desde 1998 em Campo Grande (Foto: Marcos Ermínio)

Em audiência nesta manhã, a Comissão de Obras, presidida pelo vereador Alceu Bueno (PSL), ressalta que o PL 1/2013 já está em tramitação na casa e, se a Comissão de Obras aprovar, vai para votação. O projeto ainda “passa pelas mãos” do prefeito Alcides Bernal (PP). “Se ele vetar, a Câmara derruba o veto e promulga a lei”, avalia Zeca.

Década passada - Com cadastro desde 1998, a professora Estela Marques Barba, 40 anos, diz que levou a sua documentação e a da mãe, porém ambas não conseguiram nada até o momento. “Minha mãe está com 70 anos e até agora nada. Em outubro de 2010, a Ehma me chamou, pegou todos os dados e disse que eu iria ser contemplada. Eu inclusive assinei documentos que iriam para a Caixa e até hoje estou esperando”, lamenta a professora.

Novamente na Ehma, a professora foi informada que não tem nada de novo no seu cadastro e por isso uma sindicância foi aberta. “Eles vão apurar o que está ocorrendo. Também tenho duas filhas, com cadastro de 2010 e até hoje elas também não conseguiram”, conta a professora, dizendo que em Janeiro de 2011 foi informada que seria beneficiada no Portal Caiobá.

Da mesma maneira aguarda a confeiteira Luzia Decaleto, 36 anos. Ela fez o cadastro no ano 2000, quando havia acabado de se casar. “Disseram que não tinha grandes chances de conseguir porque não possuía filhos, por isso fui renovando o cadastro a cada ano. Mas em 2011 retornei, agora com dois filhos, um com problema psiquiátrico e o marido aposentado por invalidez. Agora estava na prioridade, mas não sei que preferência é essa”, fala Decaleto.

Naquele mesmo ano, a confeiteira foi informada que receberia a visita de uma assistente social. “Ela não foi e então eu tentei me mudar para a Cidade de Deus, porque disseram para que teria prioridade na fila, com o pagamento de R$ 3 mil, mas não tinha esse dinheiro”, denuncia.

Tempos depois, os moradores dos barracos conseguiram se mudar para um residencial de nome Vila Fernanda. “Há 4 dias vi um anúncio de gente vendendo casas lá por R$ 12 mil. Me passei por interessada e fui atendida por um corretor. Porém, ao fazer a denúncia na Ehma, eles não deram importância alguma”, comenta.

Para discutir o assunto, além dos vereadores e pessoas inscritas nos programas, também participa o Secretário de Obras, Semy Ferraz.

Câmara vai homenagear 84 pessoas em sessão do aniversário de 118 anos
A Câmara Municipal de Campo Grande vai homenagear 84 pessoas em sessão solene na próxima quarta-feira (dia 23). Na ocasião, a partir das 19h, serão ...
Moreira Franco: MP das Rodovias dará segurança jurídica e resolverá problemas
O ministro da Secretaria Geral da Presidência, Moreira Franco, afirmou que a MP das Rodovias vai garantir condições de investimento nas concessões at...
Puccineli quer candidato de consenso a presidência do PMDB em MS
Só se for sem disputa. É assim que o ex-governador de Mato Grosso do Sul, André Puccinelli (PMDB), quer disputar o comando da legenda no Estado, nas ...



gostei dessa tem que ser assim mesmo........
 
JOSE PEDRO em 13/09/2013 13:11:41
Muito boa a sugestão do vereador Zeca! Tomara que essa Câmara, que ultimamente só tem enrolado, aprove o Projeto de Lei. São coisas assim simples, porém eficientes, que a população espera que seus representantes proponham e aprovem.
 
Ercy Dias em 13/09/2013 12:55:09
O Unico que não poderia estar fazendo parte dessa mesa ai é o Zeca do PT.
 
Cleber Lima em 13/09/2013 11:09:41
Engraçado esse baluarte da boa administração pública o zeca do pt, por assim ele prefere ser chamado.
Quando comandou o executivo estadual essa tal "transparência" ele nem tocou no assunto, pelo contrário a thurma do PT deitava e rolava nas tais moradias entregues, quantos votos heim!!!
Isso é só para explorar a miséria....
 
Gabriel Torres em 13/09/2013 10:59:54
Tenho cadastro na EMHA e na AGEHAB, desde 2008 e até agora nada, ainda mais que fiquei sabendo de tantas falcatruas, de 'amigos' de politícos conseguirem mais rápido, ou de pessoas que tem condições de terem uma casa e conseguem e vendem ou alugam para outras. Até desisti, ainda mais agora que precisa fazer esse tal de cadastro do NIS, não sei por qual motivo.
 
Juliana Baptista em 13/09/2013 10:58:28
A realidade é uma só, ninguém conhece alguém que foi "sorteado", tudo maracutaia, sempre conhece alguém lá de dentro ou algum político indicou. A gente abre os classificados de Campo Grande e acha um monte de residência de 30 a 50 mil reais nesses bairros da Emha e Agehab em que o proprietário diz: não exijo transferência. Quando vc olha o endereço no mapa é tudo casa do governo.
 
Mara de Oliveira em 13/09/2013 10:51:30
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions