A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

12/01/2016 10:58

Com estradas e pontes danificadas, colheita da soja preocupa produtores

Renata Volpe Haddad
Chuva constante não atrapalhou desenvolvimento da soja em regiões do Estado, preocupação maior é com as estradas intransitáveis. (Foto: Marcos Ermínio/Arquivo)Chuva constante não atrapalhou desenvolvimento da soja em regiões do Estado, preocupação maior é com as estradas intransitáveis. (Foto: Marcos Ermínio/Arquivo)

A colheita da soja em Mato Grosso do Sul começa nos próximos dias e as chuvas constantes, que já deixaram vários estragos, preocupam os produtores da região sul. Dezenas de pontes foram destruídas e muitas estradas estão intransitáveis, o que deve dificultar não só a colheita, como também o escoamento da safra.

Em até 15 dias, em alguns pontos a soja já estará pronta para ser colhida e a maior preocupação é a falta de acesso. No município de Laguna Carapã, distante 287 km de Campo Grande, por exemplo, a chuva em abundância prejudicou pouco dos 90 mil hectares de soja plantados.

Conforme o presidente do Sindicato Rural do município, João Firmino Neto, o que preocupa mais é o escoamento dos grãos. "Não temos condições de estradas boas e se os caminhões chegarem até as fazendas, não tem como entrar para colher, porque a chuva não dá trégua", comenta.

Ainda segundo Neto, as duas rodovias municipais, a MS 379 e 280, que dão acesso a Laguna Carapã, foram afetadas pelas chuvas e estão com problema na estrutura, além de pontes que água levou. "E aqui está chovendo muito e se o sol não sair, não tem como colher a soja", explica.

Em até 15 dias, algumas regiões terão soja para colher. (Foto: Marcos Ermínio/Arquivo)Em até 15 dias, algumas regiões terão soja para colher. (Foto: Marcos Ermínio/Arquivo)

Em Dourados, distante 233 km de Campo Grande, a preocupação em relação a colheita é a mesma.

Segundo o presidente do Sindicato Rural do município, Lúcio Damalia, as estradas estão em estado lastimável e o problema é a logística para arrumar a tempo. "Dinheiro tem para arrumar as estradas, mas a dificuldade é a logística para chegar nelas, já que em até dez dias, têm locais que vão começar a colher", alega.

São de 150 a 170 mil hectares de soja plantada no município e devido as chuvas, muitos agricultores precisaram replantar o grão. "Cada local vai ter um tipo de problema e como tem chovido muito, e a soja precisa de 12 horas de luz por dia para poder desenvolver muito e isso não tem acontecido, já que a maior parte do dia fica nublado", avalia.

Sindicato Rural alega que se colheita de soja atrasar por complicação no escoamento, plantio de milho atrasa também.  (Foto: Revista Feed e Food)Sindicato Rural alega que se colheita de soja atrasar por complicação no escoamento, plantio de milho atrasa também. (Foto: Revista Feed e Food)

Outro fator pontuado pelo presidente do sindicato, é a questão da plantação do milho. "Se atrasar a a colheita da soja, atrasa o plantio do milho e com o solo muito úmido, o milho não vai ater uma cobertura uniforme, ou seja, nosso problema este ano não termina na soja", comenta.

Em Iguatemi, distante 466 km de Campo Grande, a preocupação do Sindicato Rural com o escoamento dos grãos é a mesma das outras regiões. Conforme o diretor do sindicato, Edson Pala, as estradas não estão em condições de tráfego. "E as chuvas não param, o que prejudica alguns pontos da soja plantada. 90% das nossas estradas estão intransitáveis e os produtores ficam aflitos com isso", alega.

A Aprosoja/MS (Associação dos Produtores de Soja) espera do governo do Estado melhorias nas estradas para facilitar o escoamento da safra. O governo, por sua vez, afirma que fará a recuperação emergencial de quatro pontes visando o transporte dos grãos.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions