A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 20 de Setembro de 2017

04/03/2016 15:45

A avaliação na vida e na escola

Por Ana Regina Caminha Braga (*)

O ser humano inicia seu processo de avaliação nos primeiros anos de vida ao entrar em contato com o mundo/sociedade no qual está inserido em suas diferentes dimensões: familiar, escolar e social.

Na dimensão familiar, o exemplo prático da avaliação é quando a criança ainda não adquiriu a linguagem e ela chora fazendo a mãe, por exemplo, amamentar, dar água, colocar no colo, fazer dormir, trocar a fralda e dar remédio. Estes são os meios de comunicação que a criança utiliza para avisar que algo não está confortável. A mãe, por sua vez, compreende os sinais avaliando o que pode estar acontecendo com o filho e tomar suas atitudes.

A criança, durante seu desenvolvimento, percebe que ao chorar é atendida. Toda vez que sorrir a mãe se alegra, ou quando faz algo errado a mãe chama atenção. Ao pedir algo, a mãe dar ou não, dependendo da situação e possibilidades da família. Destas maneiras, a criança avalia o que pode, como e quando consegue alcançar seus objetivos. Estas respostas fazem parte do processo de avaliação.

No processo escolar, primeiramente na Educação Infantil, a rotina é diferente do espaço familiar, pois a referência da criança não é mais a mãe/responsável, e sim a professora que possui outra concepção, valores, referências e conhecimentos. É ela que leva novos desafios, novas aprendizagens e impõe outros limites em sala de aula para sua turma, sendo estes necessários para que a criança se desenvolva não só como aluna, mas como cidadã.

É no ambiente educativo que os pequenos entram em contato com outras crianças mais ou menos da mesma idade, porém com costumes, orientações e vivências divergentes. Logo, iniciam as trocas de experiências e as avaliações para identificar seus colegas de turma, vendo aqueles que se aproximam de suas características e de seus referenciais, para em seguida, constituir seus grupos de amigos, equipes de trabalho, círculos de amizades, dentre outras relações.

A partir do ensino fundamental em diante, o comprometimento e as responsabilidades só aumentam em relação à aprendizagem, pois os conteúdos são mais complexos exigindo do aluno consciência e controle do que vem aprendendo para atender as suas necessidades enquanto aprendizes e também para compreender e responder aos exercícios e as questões avaliativas do sistema educacional.

A avaliação sistematizada a princípio deve ser abordada na escola de maneira significativa e complementar a aprendizagem do aluno. Ela precisa ser um instrumento que media e mostra ao professor os pontos positivos e negativos que estão sendo internalizados pelo aluno.

Com os resultados em mãos, ele pode se mobilizar de diversas maneiras para conhecer e interpretar os sinais apresentados, por exemplo: como o aluno aprende, o seu estilo de aprendizagem, que caminhos ele escolhe para responder as questões e como o utiliza. O importante é o professor não ficar preso somente à nota da avaliação, mas saber o significado que ela tem na aprendizagem do aluno e no que reflete em sua prática.

Atualmente, o que pode ser visto na escola é que o professor desenvolve um olhar quantitativo, ou seja, ele recebe o aluno pelo produto da prova. É claro que a nota revela alguns resultados, no entanto, não é o aluno em sua completude, pois toda pessoa tem suas habilidades e limitações e estas sendo identificadas devem ser trabalhadas em sala de aula para que o aluno construa um equilíbrio em sua aprendizagem.

Este processo também cabe à coordenação pedagógica em orientar e motivar leituras sobre avaliação para que o professor tenha o conhecimento necessário e não a execute sem um objetivo, caso contrário, o aluno pode ser prejudicado com os diagnósticos, muitas vezes, precoces a seu respeito. Em suma, a reflexão para hoje é: Como o professor envolve o aluno em sua disciplina? Qual a motivação que lhe é concedida? De que maneira ele coloca ao aluno o momento da avaliação?

Na dimensão social, a avaliação é refletida como o produto do aluno, do sujeito no ambiente de trabalho, na família, entre outros. São os conceitos que ela impõe sobre o ser humano. Todavia, é preciso cuidar com estes paradigmas, considerando que nem todo aluno A é o melhor aluno na “vida da gente”.

(*) Ana Regina Caminha Braga é escritora, psicopedagoga e especialista em educação especial e em gestão escolar.

A regulamentação do Lobby no Bra
Desde 1989 o Projeto de Lei do Senado que propõe regular a atividade de Lobby no Congresso Nacional, PLS 203/89 de Marco Maciel (DEM- PE), está no Co...
Desarranjo planetário
Enfrentamos um desarranjo global na gestão pública. Os líderes se afastam da ideia de que são responsáveis por imprimir melhora geral na qualidade hu...
Tudo pelo cliente
Muitas pessoas me perguntam como é o meu dia a dia, como é administrar uma das marcas mais valiosas e admiradas do Brasil. Posso dizer, sem falsa mod...
OMC: a derrota anunciada
Não deixa de ser curioso que, num momento em que a Organização Mundial do Comércio (OMC), com sede em Genebra, é dirigida pelo diplomata brasileiro R...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions