A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 21 de Outubro de 2019

23/11/2012 08:01

A consciência negra do Brasil

Por Luiz Martins da Silva (*)

Que haja no Brasil um Dia da Consciência Negra é uma tremenda redundância, mas ainda necessária. O paradoxo se deve ao fato de se ter que promover identidade afra num país que, como gosta de ostentar a diplomacia brasileira, é a segunda maior nação negra do mundo, logo após a Nigéria. Faz sentido, no entanto, a intenção afirmativa desse tipo de conscientização, por estarem os negros brasileiros em desvantagens historicamente acumuladas, a ponto de se justificarem as cotas raciais. Apesar de polêmicas, elas fazem parte das políticas compensatórias, criação neoliberal advinda do pensamento de John Rawls (Teoria da Justiça) e não da lavra ‘tupiniquim’, como creem muitos.

Outra contradição étnica brasileira refere-se à necessidade de ações inclusivas para os negros, uma tautologia. Senão, vejamos: o Brasil tem um Rei, Pelé. A padroeira nacional, Nossa Senhora Aparecida, é negra. E o prato nacional, a feijoada, veio da criatividade dos escravos, no aproveitamento dos rejeitos da Casa Grande. A presença do negro na vida brasileira perpassa o âmago da índole cultural e civilizatória que se desenvolveu nesta parte dos trópicos, compreensão expressa por expoentes do chamado pensamento social brasileiro, a exemplo de Sérgio Buarque de Holanda, Gilberto Freyre e Paulo Prado.

Mas o Brasil não é só negro. Na verdade, híbrido: “as três raças tristes que deram o Carnaval”: o branco, com a sua saudade; o negro, com o seu banzo; e o índio, depressivo ante o trabalho imposto. Esse tempero étnico explicaria as simpáticas hipóteses de que por aqui soubemos criar o “homem cordial” e a “democracia racial”. Será? Muitos duvidam, aqueles que se adiantam na denúncia de que o racismo brasileiro é disfarçado, embora seja crime inafiançável. Vinícius de Moraes não teve dúvida: “Eu sou o branco mais preto do Brasil”. Consciência negra, portanto, não depende de pigmentação, nem da cor dos olhos, os de Vinícius eram verdes.

O racismo, porém, na sua manifestação mais imediata é uma patologia, revestida de discriminação, segregação e intolerância. Ocioso dizer que o racismo e a escravidão já existiam na África muito antes do “achamento” do Brasil. Imperioso reconhecer, no entanto, que em longo prazo foi sendo implantado no Brasil um apartheid indolente e quase invisível, a não ser que as mentes e corações sejam despertados para uma forma de consciência, aquela que precisa mais das estatísticas do que do nosso langoroso jeitinho de amar o próximos, mas contando piadinhas racistas.

Mas essas mesmas estatísticas estão mudando, para melhor e rapidamente. E uma nova consciência desponta no horizonte, a de que no Brasil existe, sim, um aparteísmo social mais amplo, em relação aos pobres, de qualquer cor.

(*) Luiz Martins da Silva é jornalista e professor da Faculdade de Comunicação, da Universidade de Brasília. Mestre em Comunicação pela UnB e doutor em Sociologia pela Universidade Nova de Lisboa. Coordena o projeto SOS Imprensa da FAC/UnB. Como jornalista, atuou no Jornal de Brasília, no O Globo e na revista Veja, entre outros.

Antônio Baiano – Um Gigante
Roseli Marla, minha cunhada querida, neste momento de profunda tristeza que todos estamos vivendo com a morte prematura do nosso querido Antônio Baia...
Projeto de lei pretende punir quem ocultar bens no divórcio
Quem milita na área do Direito de Família está, infelizmente, mais do que acostumado a se deparar com inúmeros expedientes para fraudar o direito à m...
Internet, Vínculos e Felicidade
A cada dia estamos passando mais tempo em celulares e computadores. Tanto que muitas vezes, quando maratonamos seriados, até a televisão pergunta: "t...
Origem espiritual da Profecia
Em minha obra Os mortos não morrem, transcrevo estudos abalizados e relatos interessantíssimos sobre a realidade da vida após o fenômeno chamado mort...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions