A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 25 de Setembro de 2017

23/09/2015 13:01

A crise de valores para a empresa mais sustentável

Por Marcus Nakagawa (*)

A todo momento vemos nos principais noticiários que a crise econômica está atrapalhando a maioria dos negócios no país. Diante desta situação, na qual o país passa por grandes dificuldades, escutamos todos os setores se questionando quando será o movimento do governo e dos órgãos responsáveis pela recuperação e pelos ajustes econômicos e políticos para a retomada do crescimento. Já estávamos muito bem adaptados à estabilidade econômica por conta do plano que trouxe nossa moeda forte.

Muito me questiono se este crescimento não é somente uma ilusão de um país que já passou por dificuldades de inflação galopante e dívida externa imensa.

Felizmente, quando colocamos os indicadores sociais percebemos uma melhora comparativamente às últimas décadas. Posso parecer ingênuo com esta afirmação e em todo momento sou questionado pelos meus colegas e alunos, porém, considerando o que já passamos e a fase na qual estávamos, com certeza evoluímos muito.

O crescimento é necessário, todavia, se não avaliarmos o “por que deste crescimento” torna-se uma busca sem critérios. Algumas pesquisas realizadas pelo Instituto Gallup, entre 2013 e 2014, foram processadas e divulgadas pelo PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento da ONU), que mostra a real percepção do bem estar dos latinos americanos e dos caribenhos. Na ocasião, o economista chefe do PNUD para a América Latina e Caribe, George Gray Molina, explica que existe a necessidade de ampliarmos a visão para além da renda e do crescimento econômico, quando um terço da população desta região já diz ter tido preocupação com dinheiro, mesmo que dois terços encontrem-se em situação de pobreza e vulnerabilidade.

Temos muito o que evoluir, mas sempre com um foco. E a ideia é podermos pensar exatamente nesta vertente. Como criarmos valor para estas pessoas que estão nestas condições? Como criamos bem estar para todos? Mas você deve estar se perguntando, o que tem a ver estes tópicos com a minha PME? Neste momento de crise quero faturar e sobreviver...

É esse o pensamento de todas as organizações neste momento, entretanto, não podemos buscar esta sobrevivência a todo custo e preço. Vide as grandes empresas que estão passando por crises de valores com seus diretores e presidentes tendo que utilizar um localizador no tornozelo. A ética de grandes empreiteiras e fornecedores é que está agora sendo questionada, inclusive sendo premiado aquele executivo que acusar o outro. Isso sim é crise de valores, na qual vale tudo, ou quase tudo.
Falar em qualidade de vida e bem estar para todos é meio contraditório para pessoas e executivos que tiveram que lidar com uma situação totalmente fora do padrão.

Já a pequena e média empresa que está no meio deste mar de dificuldades éticas e morais terá que tentar sair ilesa. Aquelas que estão assistindo a estas cenas de teatro grego terão que continuar firme nas suas crenças e valores, no seu ideal do quando foi criada a empresa.

Está certo que existe uma grande quantidade de pessoas que acham que isso não é o que acontece no país, que pode ser, realmente, ingenuidade do autor, porém, posso justificar com dados de quanto perdemos com a corrupção e a falta de valores. O Centro de Estudos de Direito Econômico e Social (Cedes), da Fundação Getúlio Vargas (FGV), mostrou que o Brasil deixou de produzir cerca de R$ 87 bilhões em 2014 no faturamento de uma das maiores empresas do país e os seus agregados, graças aos problemas de falta de valores e ética.

A PME não pode perder sua missão e os seus valores, não pode entrar na turma do deixa disso, pois isso pode efetivamente tirar o sentido duradouro da sua existência, além de ser um risco muito grande, pois os problemas sempre caem para aqueles que têm menor força. Não perca os seus valores, pois geralmente é tudo que sobra!

(*) Marcus Nakagawa é sócio-diretor da iSetor; professor da ESPM; idealizador e presidente do conselho deliberativo da Abraps (Associação Brasileira dos Profissionais de Sustentabilidade); e palestrante sobre sustentabilidade, empreendedorismo e estilo de vida. www.marcusnakagawa.com

Às vezes, temos de magoar alguém para salvar a nós mesmos
Poderemos ter que romper com um parceiro que ainda nos ame, que dizer não a alguém muito querido, que ser antipáticos, pois sempre haverá a necessida...
Por que participar do Comitê dos Usuários de Serviços de Telecomunicação
Desde a polêmica das franquias de dados na Internet fixa, a Agência Nacional de Telecomunicações vive uma crise de imagem e de legitimidade. Na época...
A Guerra de 100 anos: poupadores vs bancos
Há 680 anos, a Europa ocidental testemunhava o início de uma de suas mais longas guerras. A versão mais conhecida entre historiadores é de que o conj...
As deformações sobre o conteúdo (ataques e defesas) da reforma trabalhista
Recentemente li uma matéria no Jornal Valor Econômico, de 11 de setembro de 2017, que me deixou muito intrigado. Na verdade, perplexo. Com argumentaç...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions