A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 20 de Junho de 2018

31/12/2016 09:01

A flor do perdão

Por Enildes Corrêa (*)

O estudante perguntou a um sufi: “O que é perdão?”. Ele respondeu: “É a fragrância que as flores dão quando são esmagadas”. Então, o sufi orientou: “Seja como a flor que dá sua fragrância mesmo na mão de quem a esmaga”.

Minha alma foi tocada pela beleza e profundidade das palavras lidas. Voltei os olhos para a minha própria história de vida. Recordei-me da pergunta feita ao meu pai há muito tempo:
– Pai, como perdoar alguém que nos feriu de maneira tão grave e, ainda, injustamente?

Ele olhou bem dentro dos meus olhos e fez referência à seguinte passagem bíblica: “Jesus disse: Perdoar até setenta vezes sete”. Papai pediu-me para fazer o cálculo de setenta vezes sete. Então, continuou: “O ódio é uma arma perigosa e nós não devemos ter essa arma. Deus não odeia ninguém. O sofrimento é passageiro. Tem sofrimento que serve de remédio na vida da pessoa”.

Fui sacudida por sua firme e clara resposta, que ressoou mais como advertência do que conselho. Em instantes, entendi que não dava para ficar patinando nos ressentimentos causados por outrem. Tinha que aceitar o passado, perdoar, esquecer e seguir em frente sem carregar nas costas o fardo da ira e de rancores.

Hoje, com mais de 50 anos, penso que perdoar no número de vezes que Jesus aconselhou só se torna mais fácil em relação a quem amamos demais, como os filhos.

Filhos, criados por Deus a partir de nossa própria carne, revelam aos seus genitores o amor de Deus presente no humano. Sim, os filhos ensinam seus pais, fonte terrena de vida, a praticarem o sagrado mandamento do perdão, quantas vezes se fizerem necessárias. Quem melhor que as mães para saber tudo que está contido nas palavras de Jesus: “A quem muito se ama, muito se perdoa; mas aquele a quem pouco se perdoa, pouco se ama”. Os Sufis têm 99 nomes para Deus. Um deles é Al Ghaffar e significa “o que perdoa”.

Que seria dos relacionamentos, em especial, com as pessoas mais próximas, se não nos fosse dado o potencial de relevar pequenas e grandes ofensas – as que recebemos e as que cometemos? Como poderá acontecer encontro se as pessoas se olharem somente com os olhos do passado? Relevar as ofensas impede as pessoas de se tornarem ilhas isoladas e vivifica vínculos de família, assim como os demais construídos numa sociedade. Quão apropriadas continuam as palavras de Jesus: “Aquele que não tiver pecado, atire a primeira pedra.”?

Se a consciência não estiver totalmente desperta, será inevitável correr o risco de machucar e ser machucado na convivência com quem quer que seja. Certa vez, uma tia muito amada, de alma belíssima e de coração imenso, compartilhou comigo sua prece: “Todos os dias eu converso com Deus e peço a Ele perdão por meus pecados – os lembrados e os esquecidos”.

Algumas canções de Madredeus me remetem ao tema deste texto. Diz a letra:
“Amar, amar, amar (...)
(...) Nada é maior que amar.”

Outra letra expressa também algo da qualidade do verdadeiro amor, que nos torna seres compassivos e solidários, inclusive com quem nos tenha ofendido: “Haja o que houver, eu estou aqui.”

A prática constante do ensinamento sufi – aceitação da vida com compreensão – nos conecta com o silêncio interior, bálsamo divino que possibilita curar até lesões emocionais profundas e ressentimentos antigos. E, chega um tempo em que a mágoa se dissipa, sem esforço. Ao sairmos do domínio da mente, tocamos a dimensão da alma. Então, tudo que for contrário ao amor, dissolve-se por si mesmo.

Não se trata de negar o problema, a ofensa, nem dor ou qualquer emoção que se sinta. Ao contrário, nada pode ser curado em nosso interior sem ser observado e investigado devidamente. Mas, se a ferida é curada, qual o sentido de lembrar com frequência de quem a provocou e dos desconfortos dela decorrentes? A memória factual permanecerá, mas não dará origem a perturbações emocionais no momento presente.

Quem se aceita com amor, enraíza em si e vincula-se ao presente. No acolhimento da vida com totalidade, o peito se abre e respira livre das amarras de sofrimentos passados. Pouco a pouco, os desgostos se desmancham e são esquecidos.

A bênção do perdão abre as asas da alma, transpõe muros e nos leva para longe e para o alto, de onde obtemos a confirmação das palavras que escutei de Kiran: “É possível relaxar, com todos os problemas, com todos os movimentos e mudanças que acontecem naturalmente. É possível estar em silêncio, com todos os distúrbios.”

E do silêncio brota a flor da Consciência que, mesmo esmagada, exala sua fragrância. Faz parte de sua natureza entregar perfume à Vida.

(*) Enildes Corrêa é administradora, terapeuta Ayurveda e professora de Anubhava Yoga

Servidor público da Previdência Social
Os servidores da Previdência Social, em especial aqueles que trabalham no INSS, estão totalmente sem norte, em virtude das mudanças políticas promovi...
A receita da sorte
Somos seres dependentes da repetição. Desde nossos processos biológicos à necessidade de se estipular uma rotina mínima para que a civilização funcio...
Condução coercitiva e os aspectos jurídicos
Em que pese tratar-se de temática absorta pela legislação processual penal desde a década de 40 (especificamente 1942, quando da entrada em vigor do ...
A carne mais barata do mercado é a carne negra
Os números apresentados pelo Atlas da Violência de 2018 mostram a agudização nas tendências do perfil de assassinatos cometidos no Brasil: a vítima é...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions