A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 19 de Outubro de 2019

26/09/2014 14:00

A luta do portador de deficiência para inclusão no mercado de trabalho

Por Luiz Carlos Motta (*)

Setembro é mês da Luta da Pessoa Portadora de Deficiência, e nesse período de reflexão quero exaltar a participação dessa parcela da população no mercado de trabalho.

Desde 1991, nosso País possui uma lei que determina que as empresas com mais de 100 funcionários destinem de 2% a 5% das vagas de empregos para pessoas com deficiência. Mesmo com a lei e o crescimento do portador com deficiência física no mercado de trabalho, precisamos prestar mais atenção nesse público, que se torna cada vez mais independente e se aperfeiçoa mais em diversas áreas.

Atualmente, as empresas buscam profissionais renomados e especializados para cada tipo de vaga. O estudo e a capacitação são de extrema importância para quem quer crescer profissionalmente. A capacidade física já não é mais tão vista como condição número 1 para conseguir emprego e assim o portador de deficiência ganha espaço e destaque no mercado de trabalho, pois é um público que, independente de suas limitações, busca a qualificação.

Nos meus anos de líder sindical, acompanho dezenas de exemplos de empresas que não atendiam aos requisitos básicos para contratar pessoas com necessidades especiais. O papel da empresa, além de atender a todos os requisitos para o trabalhador, é largar de lado o pré-conceito. Hoje o mercado não quer somente empresas renomadas ou com um público conceituado, mas sim aquelas que atendam a todos os requisitos da atualidade, como uma governança corporativa, desenvolvimento sustentável e preocupação com a sociedade em geral. Trabalhar de forma a contribuir com a sociedade agrega valor à empresa, fideliza e conquista novos clientes.

Um dos exemplos de programas conscientes é o Café Sensorial, projeto da Federação dos Empregados no Comércio do Estado de São Paulo que visa sensibilizar a comunidade empresarial e o poder público sobre a acessibilidade e inclusão dos profissionais com deficiência no mercado de trabalho. Durante o Café, os convidados, que incluem autoridades e empresários, participam de forma lúdica de dinâmicas e situações que os colocam nos lugares dos trabalhadores com a deficiência. São dinâmicas que levam os convidados a refletirem sobre a necessidade de mais oportunidades para o desenvolvimento profissional e social do portador de necessidade especial.

O Estado também tem seu papel nessa luta: é seu dever garantir e dar condições para a inclusão das pessoas portadoras de deficiências não só no mercado de trabalho, como na sociedade como um todo.

(*) Luiz Carlos Motta é presidente licenciado da Fecomerciários de São Paulo e da UGT São Paulo

Antônio Baiano – Um Gigante
Roseli Marla, minha cunhada querida, neste momento de profunda tristeza que todos estamos vivendo com a morte prematura do nosso querido Antônio Baia...
Projeto de lei pretende punir quem ocultar bens no divórcio
Quem milita na área do Direito de Família está, infelizmente, mais do que acostumado a se deparar com inúmeros expedientes para fraudar o direito à m...
Internet, Vínculos e Felicidade
A cada dia estamos passando mais tempo em celulares e computadores. Tanto que muitas vezes, quando maratonamos seriados, até a televisão pergunta: "t...
Origem espiritual da Profecia
Em minha obra Os mortos não morrem, transcrevo estudos abalizados e relatos interessantíssimos sobre a realidade da vida após o fenômeno chamado mort...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions