A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 25 de Junho de 2018

26/09/2014 14:00

A luta do portador de deficiência para inclusão no mercado de trabalho

Por Luiz Carlos Motta (*)

Setembro é mês da Luta da Pessoa Portadora de Deficiência, e nesse período de reflexão quero exaltar a participação dessa parcela da população no mercado de trabalho.

Desde 1991, nosso País possui uma lei que determina que as empresas com mais de 100 funcionários destinem de 2% a 5% das vagas de empregos para pessoas com deficiência. Mesmo com a lei e o crescimento do portador com deficiência física no mercado de trabalho, precisamos prestar mais atenção nesse público, que se torna cada vez mais independente e se aperfeiçoa mais em diversas áreas.

Atualmente, as empresas buscam profissionais renomados e especializados para cada tipo de vaga. O estudo e a capacitação são de extrema importância para quem quer crescer profissionalmente. A capacidade física já não é mais tão vista como condição número 1 para conseguir emprego e assim o portador de deficiência ganha espaço e destaque no mercado de trabalho, pois é um público que, independente de suas limitações, busca a qualificação.

Nos meus anos de líder sindical, acompanho dezenas de exemplos de empresas que não atendiam aos requisitos básicos para contratar pessoas com necessidades especiais. O papel da empresa, além de atender a todos os requisitos para o trabalhador, é largar de lado o pré-conceito. Hoje o mercado não quer somente empresas renomadas ou com um público conceituado, mas sim aquelas que atendam a todos os requisitos da atualidade, como uma governança corporativa, desenvolvimento sustentável e preocupação com a sociedade em geral. Trabalhar de forma a contribuir com a sociedade agrega valor à empresa, fideliza e conquista novos clientes.

Um dos exemplos de programas conscientes é o Café Sensorial, projeto da Federação dos Empregados no Comércio do Estado de São Paulo que visa sensibilizar a comunidade empresarial e o poder público sobre a acessibilidade e inclusão dos profissionais com deficiência no mercado de trabalho. Durante o Café, os convidados, que incluem autoridades e empresários, participam de forma lúdica de dinâmicas e situações que os colocam nos lugares dos trabalhadores com a deficiência. São dinâmicas que levam os convidados a refletirem sobre a necessidade de mais oportunidades para o desenvolvimento profissional e social do portador de necessidade especial.

O Estado também tem seu papel nessa luta: é seu dever garantir e dar condições para a inclusão das pessoas portadoras de deficiências não só no mercado de trabalho, como na sociedade como um todo.

(*) Luiz Carlos Motta é presidente licenciado da Fecomerciários de São Paulo e da UGT São Paulo

A corda arrebenta para todos
Ao pensar na África, geralmente formamos imagens com exuberância de recursos naturais. Falta de água nos remeteria aos desertos daquele continente, e...
Os três pilares do aprendizado
A educação brasileira passa por um profundo processo de transformação com a implantação da nova Base Nacional Comum Curricular. Precisamos estar pron...
O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions